Ronaldo abriu o coração na final do Euro 2016: “Já chorei três ou quatro vezes”

Vídeo do discurso do capitão da equipa nacional no balneário após a vitória sobre a França.

Fotogaleria
AFP/FRANCK FIFE
Fotogaleria
Reuters/Kai Pfaffenbach
Fotogaleria
Reuters/Kai Pfaffenbach
Fotogaleria
AFP/MIGUEL MEDINA

Eram imagens ainda não vistas dos bastidores do triunfo da selecção nacional no Euro 2016: o capitão Cristiano Ronaldo discursou perante os companheiros de equipa, no balneário, e abriu o coração: “Este é o momento mais feliz da minha vida. Já chorei três ou quatro vezes.”

“Quero agradecer a este senhor que está aqui (aponta para Fernando Santos) em primeiro lugar. Em segundo, aos jogadores, ao staff que participou, a toda a malta que esteve envolvida nesta conquista. Ninguém acreditava em Portugal e a verdade é que conseguimos. Todos conseguimos”, começa por afirmar Cristiano Ronaldo no vídeo tornado público nesta sexta-feira pela Federação Portuguesa de Futebol.

“Estou muito feliz. É um dos dias mais felizes da minha vida. Nem troféus individuais, nem Champions. Este é o momento mais feliz da minha vida. Já chorei três ou quatro vezes, o meu irmão até já me chamou: ‘Pá, já chega, já chega’. Eu disse: ‘Hugo, não consigo’”, prossegue o futebolista madeirense, que na final do Euro 2016 só resistiu 25 minutos em campo após uma falta dura de Payet.

O capitão teve de sofrer por fora e isso contribuiu para a conquista do título de campeão europeu ter ainda mais sabor. Éder marcou o golo da vitória de Portugal no prolongamento, aos 109’.

“De verdade, mesmo do coração, juro pelo meu filho: é o momento mais feliz da minha vida. Estou mesmo contente, mas contente, contente, contente, contente, contente. Podia repetir 100 vezes. Estou mesmo feliz, mesmo feliz”, acrescentou Cristiano Ronaldo.

“Era o título que faltava na minha carreira. E graças a vocês, malta toda que está aqui, jogadores, staff todo, o treinador outra vez. A fé que o mister teve a mim marcou-me, para ser sincero. Os médicos, os seguranças, o Joaquin, que é o meu sócio, o Ricardo, o Miguel, o meu irmão. Do fundo do coração, estou mesmo feliz. Merecemos isto. Entrámos na história de Portugal, fomos os primeiros”, concluiu o capitão da equipa nacional, ovacionado pelos companheiros.