Cláudio Torres e Elísio Summavielle no Conselho Nacional de Cultura

Ministro da Cultura nomeou seis novos membros para a secção do Património Arquitectónico e Arqueológico do CNC.

Foto
O arqueólogo Cláudio Torres é uma das seis personalidades agora nomeadas para o Conselho Nacional de Cultura

O arqueólogo Cláudio Torres e o actual presidente do Centro Cultural de Belém, Elísio Summavielle, estão entre os seis novos membros nomeados pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, para a secção do Património Arquitectónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura.

Um despacho publicado esta terça-feira no Diário da República assinala a nomeação destas seis personalidades "de reconhecido mérito", que incluem, além do director do Campo Arqueológico de Mértola (e prémio Pessoa de 1991) e do ex-secretário de Estado da Cultura, os arquitectos Alexandre Alves Costa, José Dinis Canas e Jorge Brito e Abreu, e ainda o arqueólogo João Pedro Cunha Ribeiro, que foi subdirector do extinto Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR).

O Conselho Nacional da Cultura (CNC) é um órgão consultivo criado em 2007 para apoiar o Governo na política cultural, cabendo-lhe emitir pareceres e fazer recomendações. É composto por várias secções especializadas, referentes a áreas como o livro e as bibliotecas, os museus, o cinema e audiovisual, a tauromaquia e os direitos de autor.

O CNC integra ainda representantes de entidades como a Associação Nacional de Municípios Portugueses, o Conselho Nacional de Reitores das Universidades Portuguesas e a Conferência Episcopal Portuguesa.

Sugerir correcção