Pauliana Valente Pimentel, Mónica Miranda e Félix Mula finalistas do Novo Banco Photo

Valor pecuniário e formato do prémio mantém-se. Brasil deixa de fazer parte do leque de países de língua portuguesa cujos artistas podiam ser nomeados.

Fotogaleria
Da série "The Behaviour of Being" Pauliana Valente Pimentel
Fotogaleria
Da série "Hotel Globo" Mónica de Miranda
Fotogaleria
Da série "Processos" Félix Mula

Os finalistas do Novo Banco Photo 2016 são os artistas Félix Mula (Moçambique), Mónica de Miranda (Angola) e Pauliana Valente Pimentel (Portugal). Apesar da indefinição sobre a venda do Novo Banco, o prémio mantém o valor pecuniário (40 mil euros) e o formato (depois de uma exposição com trabalhos inéditos no Museu Colecção Berardo é escolhido um vencedor). Na edição deste ano, a única mudança diz respeito ao alcance do prémio, que deixa de contar com artistas brasileiros, mantendo, no entanto, a nomeação de criadores de países africanos de língua oficial portuguesa.

Como é habitual, os finalistas são seleccionados por exposições ou publicações de anos anteriores. Mula foi nomeado pela sua participação na mostra colectiva Processos, apresentada em 2014, em Maputo. O júri de selecção justifica a sua escolha desta forma: "O processo fotográfico de Félix Mula tem passado de uma maneira discreta no meio artístico moçambicano, pelo facto de tratar a fotografia como um meio para conceptualizar histórias que refletem a sua memória individual em relação à sua família, dentro de um espaço e tempo. As suas fotografias com quase uma ausência da figura humana escondem sempre algo, ao mesmo tempo que revelam as atitudes e a natureza do ser humano. Embora a fotografia tenha sido o meio primário no seu contacto artístico, a sua coerência criativa revela-se também nas suas instalações provocativas."

Mónica de Miranda foi escolhida pela exposição Hotel Globo, realizada no MNAC – Museu do Chiado, em 2015. Para o júri, esta artista (nascida no Porto em 1976, mas com uma forte relação com Angola) tem desenvolvido um trabalho que "atravessa diversas fronteiras e esboça uma paisagem de identidades plurais, inspiradas pela própria experiência e vivência de uma cultura cada vez mais itinerante". No trabalho que apresentou no Museu do Chiado, Mónica de Miranda "explora a apropriação de um símbolo da arquitetura colonial, o Hotel Globo em Luanda, através de novos modos de ocupação e de uso; levantando questões relacionadas com a memória e com o impacto dos espaços coloniais na vivência actual".

Por último, Pauliana Valente Pimentel foi seleccionada pela exposição The Behaviour of Being, patente na Galeria das Salgadeiras em Lisboa até ao dia 5 de Março. O júri destaca neste trabalho uma "grande sensibilidade narrativa, baseada numa forte consistência estético-formal". The Behaviour of Being "vem confirmar o caminho de maturidade desta artista que, nos últimos anos, tem revelado uma obra de subtil narratividade, marcada não só pela ambiguidade da significação, como por uma particular e profunda atenção à figura humana no seu envolvimento paisagístico e social".

Estes três artistas serão agora convidados a apresentar uma exposição com obras inéditas no Museu Colecção Berardo, cuja inauguração está agendada para o dia 18 de Maio. O vencedor será escolhido por um júri de premiação em Junho, em dia a anunciar.

Do júri que escolheu estes artistas fizeram parte David Santos (Portugal), curador-geral da BF16 (Bienal de Fotografia – Vila Franca de Xira), Paula Nascimento (Angola), arquitecta, curadora e directora da Beyond Entropy Africa, e Pompílio Hilário Gemuce (Moçambique), artista.

O Novo Banco Photo (ex-Bes Photo) é o principal prémio de arte contemporânea em Portugal. Em 2007 passou a incluir artistas de nacionalidade portuguesa, brasileira ou de países africanos de língua oficial portuguesa. Este ano, o Brasil deixou de fazer parte do leque de criadores a nomear.

Ângela Ferreira (Maputo, 1958) venceu a edição do ano passado, depois da apresentação da exposição A Tendency to Forget.