Fotografia

Eles são "gigantes da Natureza que lutam na areia"

Fotogaleria

Quando Luca Meola pisou pela primeira vez o Senegal não queria acreditar nos seus olhos: "Toda a gente era bonita. Homens, mulheres, todos tinham corpos perfeitos, pareciam estátuas", disse ao P3 em entrevista. Os lutadores de "lamb", o desporto oficial do Senegal, são homens poderosos, "gigantes da natureza que lutam na areia", descreve. O "lamb" é seguido por todo o país e "os seus campeões tornam-se figuras públicas e aparecem na televisão com frequência". "Mesmo nas categorias mais baixas, em caso de vitória há muito dinheiro em jogo." Segundo o fotógrafo, a maioria dos lutadores têm raízes muito humildes. "Na verdade, para os jovens dos subúrbios mais pobres lutar na Arena de Dakar é tido como uma possibilidade de emancipação social, em muitos casos a única forma de melhorarem as condições de vida das famílias." Existem alguns exemplos desses casos no projecto "L'Arène de Dakar": "Um deles preparou-se durante meses e ganhou um combate. Com o dinheiro do prémio começou a construir o segundo andar da casa onde vivia com a família". Durante o dia do combate, o 'marabout' é a pessoa que acompanha os 'wrestlers' e cuida dos rituais. "Os lutadores dançam num ritual diante do 'griot', que toca tambores, são borrifados com leite e exibem talismãs de boa sorte chamados 'grisgris'. A luta é feita sem recurso a armas, usando apenas as mãos, sem protecção e dentro de um círculo de areia. Murros de punho cerrado são permitidos e o combate termina quando um dos lutadores cai no chão." O italiano trabalhou como assistente social em projectos relacionados com os direitos humanos na Bolívia, em 2003, e desde essa experiência que utiliza a fotografia como meio para integrar-se em diferentes contextos, conhecer novas pessoas e contar as suas histórias. Já trabalhou temas como a transexualidade, a distrofia miotrónica e transformações urbanas. Actualmente vive em S. Paulo, no Brasil, onde desenvolve projectos de médio e longo curso sobre a "megalopolis". Foi com fotografia de rua da cidade brasileira que foi distinguido recentemente com um prémio da Lens Culture. Ana Marques Maia