Podemos fotografar o futuro?

Maybe, a série de auto-retratos em que Phil Toledano imagina o que ainda não lhe aconteceu, coloca no centro dos Encontros da Imagem de Braga uma questão central para a fotografia: o poder da imagem enquanto ilusão.

Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano
Fotogaleria
Maybe Phil Toledano

Há uma fotografia em que um Phil Toledano careca, barrigudo e vestido como um punk fora do lugar dança numa discoteca, sob o ar de asco de uma jovem. “Fui eu que lhe pedi para me olhar daquela forma”, conta o fotógrafo. É a sua imagem favorita de toda a série de auto-retratos Maybe, que é possível ver até 1 de Novembro no Theatro Circo, integrada na 25.ª edição dos Encontros da Imagem de Braga. “Claramente não pertenço ali, mas não quero saber. Estou a seguir o groove."

A exposição do artista norte-americano tenta produzir um efeito que não faz habitualmente parte do universo da fotografia: retratar o futuro. E, nesse sentido, é o melhor exemplo das possibilidades da imagem enquanto ilusão, um dos eixos em torno do qual se constrói a edição deste ano do festival. Foi essa hipótese de criação de um futuro imaginário que interessou a Toledano. Em lugar do exercício de passado que a fotografia costuma ser – “tira-se uma foto e ela ficou ali atrás” –, esta série de auto-retratos mostra a vida como ela pode vir a ser. Para isso, o artista fez uma investigação acerca do seu futuro: submeteu-se a um teste de ADN para tentar perceber de que tipo de doenças pode vir a sofrer, consultou médiuns, quiromantes e cartomantes, submeteu-se a sessões de hipnotismo, elencou os seus próprios medos.

O resultado deste processo é uma colecção de personagens cativantes, entre a extravagância e a tragédia. Toledano é aquele velho punk numa discoteca, mas também é o guru de uma seita, um cansado escriturário ou um banqueiro detido pelo FBI. Um obeso de meia-idade, um idoso demente e também um suicida. “Com estas figuras, criei uma linguagem. E com ela pude ter um diálogo comigo mesmo, para perceber o que estava a passar-se na minha vida”, explica ao Ipsilon.

A série Maybe é o culminar de um ciclo de trabalhos marcadamente pessoais da produção fotográfica deste artista radicado há muito nos EUA, mas nascido em Londres há 47 anos. Um processo de auto-descoberta que começou com Days with my father (2010), acerca da vida ao lado de um pai doente, e prosseguiu com The reluctant father (2013), a outra face da mesma ideia, sobre a sua experiência enquanto pai.

Antes de aqui chegar, Phil Toledano tinha-se interessado por questões sócio-políticas, afloradas em trabalhos como Bankrupt (2001), em que mapeava escritórios e instalações de uma economia americana em desmantelamento, ou Phonesex (2008), em que retratava trabalhadores de linhas eróticas. Depois disso, chegou o momento que virou radicalmente a sua vida: a mãe morreu e o artista encontrou-se sozinho a cuidar do pai, que sofria de demência. “Não estava preparado para a forma radical como a minha vida ia mudar literalmente da noite para o dia."

Maybe foi parte da resposta a essa inquietação. Todavia, apesar de íntimo, o trabalho que apresenta em Braga esteve longe de ser solitário. Produzir cada uma destas imagens foi “como fazer um pequeno filme”, recorda o autor – e, na realidade, o processo acabou mesmo por dar um filme, lançado no início deste ano, The many sad fates of mr. Toledano, de Joshua Seftel.

PÚBLICO -
Foto
Encarnar as dezenas de personagens em que Phil Toledano se projectou (incluindo a deste suicida) envolveu uma produção pesada, com especialistas em próteses e maquilhagem Phil Toledano

Fotografar esta série não foi um acto exclusivamente pessoal. O processo de encarnar as dezenas de personagens em que Toledano se projectou durou quase quatro anos e envolveu uma produção pesada, incluindo especialistas em próteses e maquilhagem. A equipa que acompanhava o artista chegava a ter, em algumas sessões, oito ou nove pessoas.

Mas Phil Toledano não é o único autor a explorar as possibilidades da auto-representação nos Encontros da Imagem deste ano. É num campo semelhante que se joga Un autre jeu (Mosteiro de Tibães). A partir de fotografias recolhidas em feiras de velharias e lojas de produtos em segunda mão, Benoît Luisiére ocupa um lugar na vida de outras pessoas, tentando um equilíbrio difícil entre a representação narcisista e a relação com o outro. O jogo entre a realidade e a ficção é igualmente a linha de força de um dos mais interessantes trabalhos nacionais apresentados nesta edição do festival. 5 pm, Hotel de la Gloria, de Eduardo Brito e Rui Hermenegildo (Casa das Bombas, na rua do Souto), reflecte sobre a ilusão do cinema a partir de um plano do filme Profissão: Repórter (1975), de Michelangelo Antonioni.

O roteiro para entender os caminhos da ilusão nos Encontros da Imagem não está completo sem uma passagem pela Casa dos Crivos. É ali que se apresenta This is what hatred did, da espanhola Cristina De Middel, a autora do delirante Afronauts (2012), acerca do “sonho impossível” do programa espacial da Zâmbia. Na exposição que é apresentada em Braga, a artista regressa a África e à fronteira entre ficção e realidade, num trabalho feito na Nigéria a partir de um livro do escritor Amos Tutuola sobre o Bush, um território mágico onde não são permitidos humanos e apenas vivem os espíritos yoruba.