30 milhões em fuga

Os fotógrafos da Reuters têm vindo a registar a delicada realidade curda, antes — quando em fuga dos ataques de Saddam Hussein — e agora, ameaçada pelo Estado Islâmico.     

Srdjan Zivulovic
Fotogaleria
Srdjan Zivulovic

O facto de Saddam Hussein ter usado armas químicas contra os curdos iraquianos na década de 1980 é referido pelas potências ocidentais como uma das justificações para a invasão de 2003 que o derrubou. Uma vez mais, a frágil situação da população curda — desta vez atacada pelos combatentes do Estado Islâmico — levou os Estados Unidos e os seus aliados europeus, e países do Golfo, a usar a força militar no Iraque e na Síria.

Os fotógrafos da Reuters registaram ao longo dos anos as crises dos refugiados curdos. Fotografias de 1991 mostram homens, mulheres e crianças carregando os seus pertences, recolhendo lenha e enterrando os seus mortos no campo de refugiados de Cukurca, na Turquia, mesmo no outro lado da fronteira com o Iraque. Fugiram de uma operação militar do Governo de Saddam destinada a “arabizar” as zonas curdas do Norte. Centenas de milhares refugiaram-se na Turquia e no Irão.

Agora, uma vez mais, os curdos — cerca de 30 milhões de pessoas espalhadas pela Turquia, Iraque, Síria e Irão, sem um Estado próprio — estão em movimento. Normalmente longe dos holofotes, famílias inteiras fogem do perigo.

Desde a queda de Saddam, e até à ofensiva do Estado Islâmico que teve início no Iraque em Junho e se virou para os curdos em Agosto, que a região curda semiautónoma do Norte do Iraque se tornou um paraíso de relativa paz num país devastado pela guerra. Entretanto, os ataques dos militantes — famosos por matar qualquer um que se recuse a converter à sua versão austera do islão sunita — criaram uma nova vaga de refugiados, do Iraque e da Síria. A maioria dos curdos são muçulmanos sunitas, mas tendem a canalizar a sua lealdade mais para a sua etnia do que para a sua religião.

As fotografias da Reuters tiradas no campo de refugiados de Suruc, na Turquia, nos meses recentes mostram cenas familiares — uma fila de pessoas até desaparecer de vista fugindo das suas casas em Kobani, ao longo da fronteira com a Síria, tomada pelo Estado Islâmico. A batalha de Kobani tornou-se um ponto fulcral, não apenas para a situação curda, mas também para o confronto ocidental contra a militância islâmica.     

Srdjan Zivulovic
KAI PFAFFENBACH
Srdjan Zivulovic
KAI PFAFFENBACH
Srdjan Zivulovic
Murad Sezer
Srdjan Zivulovic
KAI PFAFFENBACH
Srdjan Zivulovic
KAI PFAFFENBACH
Srdjan Zivulovic
Murad Sezer
Srdjan Zivulovic
Murad Sezer
Srdjan Zivulovic
KAI PFAFFENBACH
Srdjan Zivulovic
KAI PFAFFENBACH
Srdjan Zivulovic
Stringer
Srdjan Zivulovic
MURAD SEZER
Srdjan Zivulovic
Sugerir correcção