Acelera contagem decrescente para a extinção do rinoceronte branco do Norte

Com morte de Suni, no Quénia, cai para seis o número de exemplares da subespécie de rinoceronte branco em todo mundo.

Suni tinha 34 anos
Foto
Suni tinha 34 anos Ol Pejeta Conservancy

No mundo existiam até esta semana apenas sete rinocerontes brancos do Norte, todos a viver em cativeiro. Suni, de 34 anos, um exemplar da subespécie, morreu na última sexta-feira, de causa ainda por apurar. O instituto de conservação que cuidava de Suni lamenta a morte do animal e sublinha que o risco de extinção é esmagador.

Suni era um dos quatro rinocerontes brancos do norte ao cuidado da Ol Pejeta Conservancy, uma organização sem lucros dedicada à conservação de espécies no Quénia. Nascido no jardim zoológico Dvur Kralove, na República Checa, naquele que foi o primeiro nascimento de um exemplar da espécie em cativeiro, tinha sido transferido há cinco anos com outro macho e duas fêmeas para a Ol Pejeta.

Na última sexta-feira, uma equipa encontrou Suni morto na área que ocupava no espaço da organização. A Ol Pejeta sublinha que o rinoceronte não foi vítima de caçadores de chifres e que se está ainda a apurar as causas da morte. A caça de rinocerontes pelos seus chifres foi a principal causa de morte da subespécie e o que levou a que os poucos exemplares existentes fossem colocados em cativeiro.

A organização recorda que Suni morreu com a mesma idade que o pai, Saút, tinha quando foi encontrado morto no mesmo jardim zoológico checo. Na altura, a morte de Saút foi atribuída a causas naturais.

“Agora há apenas seis rinocerontes brancos do Norte no mundo. Suni foi um dos dois últimos machos reprodutores do mundo e nenhum rinoceronte branco do norte conseguiu sobreviver no meio selvagem. Consequentemente, a subespécie está agora em vias de completa extinção, um lamentável testamento criado pela ganância da raça humana”, escreve a Ol Pejeta no comunicado em que anunciou a morte do animal.

Agora, a Ol Pejeta fica com três exemplares, o jardim zoológico Dvur Kralove com uma fémea e um casal idoso em San Diego, nos Estados Unidos. O zoo checo é o único lugar no mundo onde foi conseguida a reprodução e de onde saíram os rinocerontes que estão em cativeiro.

Com apenas um macho e duas fêmeas com possibilidade de reprodução na Ol Pejeta, torna-se ainda mais improvável o nascimento de uma cria. Por exemplo, quando em 2012 Suni foi colocado junto a uma fémea, naquela que era a primeira experiência de acasalamento desta em dez anos, nada aconteceu. Um mês depois foi feita uma nova tentativa mas, mais uma vez, não houve uma gravidez.

A Ol Pejeta afirma que irá manter a firmeza para que um dia os esforços que tem desenvolvido no Quénia resultem num “nascimento bem-sucedido de uma cria de rinoceronte branco do Norte”.