Colocação de professores deve ser descentralizada, defende Passos Coelho

Para o primeiro-ministro, é preciso "normalizar a colocação, assegurar aulas de compensação e procurar compensações para os professores que tenham tido prejuízos com este processo"

Foto
Daniel Rocha

Passos Coelho afirmou que "a nova forma de colocação de docentes" utilizada este ano pretendia "responder a críticas que eram feitas à forma como as colocações decorriam", tendo estas alterações acompanhado um "maior grau de descentralização".

Segundo o primeiro-ministro, o Governo quer que este processo possa "vir a ser tão descentralizado quanto possível" na forma como os professores são contratados e depois escolhidos ao nível das escolas.

No presente ano lectivo, pretendia-se "disponibilizar uma plataforma a partir da qual se pudesse ponderar por um lado o percurso que os docentes têm e, por outro, as preferências das escolas na contratação de professores". Contudo, "houve um erro que foi assumido" por parte do Ministério da Educação e que está já "a ser corrigido", sublinhou o governante, que espera que as suas consequências possam ser colmatadas o mais rapidamente possível.

Para o primeiro-ministro, é preciso "normalizar a colocação, assegurar aulas de compensação e procurar por via administrativa compensações para os professores que tenham tido prejuízos com este processo". É ainda necessário "estabilizar a situação e reflectir" sobre "todas as alterações que se venham a relevar importantes" para o processo de colocação de professores.

Já na segunda-feira o Presidente da República, Cavaco Silva, tinha falado na colocação de professores de forma descentralizada. Defendendo a necessidade de uma "reflexão séria" sobre o assunto, uma vez que as coisas não tinham "corrido bem" no início deste ano lectivo, Cavaco recordou os tempos em que viveu em Inglaterra: "Os problemas na colocação de professores nunca se colocavam. Porquê? Porque penso que havia uma descentralização e não era tudo resolvido no Ministério da Educação"

  

Sugerir correcção
Ler 2 comentários