Daniel Aguilar/Reuters
Foto
Daniel Aguilar/Reuters Daniel Aguilar/Reuters

Tó Madeira, o craque do CM que afinal tem um nome verdadeiro

Chegava a marcar mais de 50 golos por época e era o investimento favorito dos treinadores do Championship Manager na viragem do milénio. Tó Madeira — ou, melhor, António Lopes — tem hoje 35 anos e conta ao P3 como se tornou num fenómeno mundial no simulador técnico mais conhecido

A história é conhecida. Fintou o base de dados de um dos videojogos mais populares dos últimos 20 anos e tornou-se no jogador favorito de treinadores em potência de bancada de todo o mundo. Tó Madeira era uma espécie de matraquilho: chutava e quase sempre era golo. Tudo virtualmente, claro, no Championship Manager (CM), da empresa Sports Interactive (SI). O ponta de lança que todos os jogadores queriam ter chama-se, no bilhete de identidade, António Lopes (Tó Madeira era o nome pelo qual o tratavam em criança), tem hoje 35 anos e ainda se ri quando recorda a época futebolística de 2001/02. “Foi uma loucura”, conta ao P3, em entrevista, numa esplanada de Coimbra, cidade onde vive. Continua sem dar a cara e recusa fotografias (“Acho que também perpetua um bocadinho o mito”) porque, diz, ainda hoje não entende como uma brincadeira se transformou num fenómeno.

Tudo começou com um anúncio: a SI estava à procura de pesquisadores para as divisões inferiores de futebol, para formar bases de dados em vários países. O trabalho, voluntário, consistia em preencher tabelas repletas de parâmetros a avaliar cada um dos jogadores. Decidiu enviar um e-mail a oferecer-se para inserir o plantel do C.D. Gouveia, à altura na terceira divisão, juntamente com mais dois amigos. Na época 2000/01, António Lopes acrescentou, como "tributo pelo trabalho" prestado, Tó Madeira e mais dois amigos ao plantel da equipa da sua terra natal. Com níveis de jogo normais, os três jogadores que afinal não o eram — António vestiu a camisola do Gouveia, sim, mas apenas nos infantis — passaram despercebidos.

Na época seguinte (2001/02), António foi convidado a continuar a colaborar, com o envio de informação sobre a mesma equipa. Mas, desta vez, os exames da licenciatura de engenharia civil, que estava a terminar na Universidade de Coimbra, roubaram-lhe o tempo para uma pesquisa séria. “A solução que encontrei foi colocar-me a mim, aos meus amigos e primos todos no plantel, mantendo a maior parte das idades”, revela ao P3. “Exagerei nas características que atribuí a cada um dos jogadores, claro, mas sempre pensei que haveria algum tipo de algoritmo para verificar a base de dados”, confessa. Os irmãos Peralta, outro fenómeno de popularidade no jogo, eram, na verdade, dois primos de António que este decidiu incluir no Gouveia, alterando datas de nascimento. “Mas os meus primos chegaram, de verdade, a jogar no Sporting Clube de Portugal.”

PÚBLICO -
Foto
O FC Tó Madeira foi fundado em 2011 por antigos e actuais funcionários da Sports Interactive, em Inglaterra DR

Afinal, o controlo da veracidade das informações da base de dados não era assim tão imediato e Tó Madeira transformou-se num “jogador espectacular”, descreve. António atribuiu valores elevados em grande parte dos parâmetros equacionados ao seu homónimo, “visíveis e não visíveis ao jogador comum”. “Devo ter estipulado que ele tinha um elevado potencial de evolução e que era, por defeito, o marcador de livres e penáltis”, recorda. A partir daí, o sportinguista António começou a comprar sempre Tó Madeira — “era uma pechincha” — porque ele tinha o nível “que, hoje em dia, se encontra em jogadores como Cristiano Ronaldo”.

PÚBLICO -
Foto
António confessa ter exagerado nos níveis de Tó Madeira, que hoje em dia, se encontram em jogadores como Ronaldo DR

De fórum em fórum, o génio de Tó Madeira começou a ser comentado, tanto em Portugal como no estrangeiro. Transformou-se “na estrela do CM 2001/02” e há até rumores, “nunca confirmados, de que chegaram a ligar para o Gouveia para contratarem o Tó Madeira”. Até que, no início de 2002 e coincidindo com o mercado de contratações de inverno, foi lançada uma actualização ao CM 2001/02, já sem Tó Madeira no plantel do Gouveia. A desculpa que dava, na brincadeira, quando lhe perguntavam a razão para uma carreira tão curta? “Uma lesão muito grave no joelho”, responde entre gargalhadas.

Depois disto não voltou a receber e-mails da SI para continuar a colaboração, é certo, mas continuou a conhecer pessoas que não acreditavam estar frente a frente com o génio do jogo. “Diziam-me que eu era o ídolo delas, convidavam-me para umas peladinhas... E eu nem era bom no futebol, joguei foi basquetebol durante sete ou oito anos.”

Base de dados quase infalível

Diz António que o CM (actualmente denominado Football Manager, depois de uma cisão entre a SI e a Eidos, que distribuía o jogo) “era um jogo que quem jogava estava sempre a conversar, a trocar ideias, tácticas, conhecimentos de jogadores”. “A piada era encontrar atletas bons e baratos e levar uma equipa a grandes competições e finais”, explica. “Não tinha assim tanta graça jogar com os melhores do mundo. Até porque, dependendo das equipas escolhidos, podíamos ter ou não dinheiro para grandes aquisições — e como eu jogava quase sempre com o Sporting, nunca tinha muito para comprar os mais famosos.

”Com tantos milhões de jogadores em todo o mundo, era uma base de dados bastante fidedigna”, considera o engenheiro civil. Nomes como Lionel Messi, Javier Saviola e Pablo Aimar surgiram no jogo como potenciais craques ainda antes de jogarem nas principais equipas dos seus clubes.

Também António se tornou viciado em jogar CM: “Cheguei a passar dois dias e duas noites consecutivas a jogar, por turnos, com colegas de faculdade”. Hoje já não joga nenhum simulador de treinador, ainda que o gosto por videojogos se mantenha. Guarda algumas imagens e artigos sobre o Tó Madeira no computador e quando descobriu que há, até, um clube inglês com o seu nome (o FC Tó Madeira, composto por antigos e actuais funcionários da SI), nem queria acreditar. “Não deixa de ser incrível como é que numa época em que a Internet era ainda rudimentar isto se tornou um fenómeno”, pensa. “Aliás, talvez tenha sido por isso mesmo”, continua António. “Hoje em dia seriam precisos apenas dois dias para o Tó Madeira ser descoberto.”