A fotografia com telemóvel também recebe prémios

60 países participaram na sexta edição dos prémios de fotografia com iPhone e um dos premiados é Daniel Fonseca, do Porto.

Fotogaleria
Bob Weil, 3º lugar na categoria Fotógrafo do Ano
Fotogaleria
Brolin Roney, 2º lugar na categoria Fotógrafo do Ano
Fotogaleria
Holly Wesley, 1º lugar na categoria Fotógrafo do Ano
Fotogaleria
Daniel Fonseca, português, 1º lugar na categoria Vida Quotidiana
Fotogaleria
David Rondeau, 1º lugar na categoria Estações
Fotogaleria
Jenny Friedman, 1º lugar na categoria Viagem
Fotogaleria
Jon Resnik, 1º lugar na categoria Animais
Fotogaleria
Jose Luis Barcia, 1º lugar na categoria Arquitectura
Fotogaleria
Britta Hershman, 1º lugar na categoria Flores
Fotogaleria
Lisa Jay, 1º lugar na categoria Outros
Fotogaleria
Luyu Huang, 1º lugar na categoria Lifestyle
Fotogaleria
Angel Jimenez, 1º lugar na categoría Pôr do Sol
Fotogaleria
Kim Hanskamp, 1º lugar na categoria Pessoas
Fotogaleria
Massimo Calogero, 1º lugar na categoria Gastronomia
Fotogaleria
Mohammed Radhi, 1º lugar na categoria Notícias
Fotogaleria
Tomas Stankiewicz Baldassarri, 1º lugar na categoria Natureza
Fotogaleria
Yvonne Naughton, 1º lugar na categoria Crianças
Fotogaleria
Maegan Moore, 1º lugar na categoria Paisagem
Fotogaleria
Jenny Friedman, 1º lugar na categoria Árvores

Haverá entre os concorrentes alguns profissionais, mas isso não é condição para participar. O maior critério é ter um tipo muito específico de telemóvel: o iPhone Photography Awards (IPPAWARDS) é uma competição de fotografias feitas com iPhone. Depois dos resultados de 2013 revelados, em que um português foi premiado, este concurso está já a receber candidaturas até Março para a sétima edição.

Foi o nova-iorquino Kenan Aktulun que teve a ideia quando viu a forma como os seus amigos usavam este telemóvel. Fundou o IPPAWARDS em 2008, sem qualquer ligação à Apple, a empresa do iPhone. “Tive a ideia quando reparei que o iPhone mudou os comportamentos dos seus utilizadores. De repente, todos os meus amigos que tinham um iPhone andavam a tirar fotografias como telemóvel”, disse Kenan ao PÚBLICO por e-mail.

O concurso, em que participaram este ano concorrentes de 60 países, está dividido por 16 categorias que nos lembram o tipo de fotografias que vemos em redes sociais como o Instagram: comida, pôr-do-sol, animais, flores. Mas também há espaço para a arquitectura ou notícias e eventos. A escolha destas categorias está relacionada com aquilo que Kenan reconhece como os motivos mais fotografados com este telemóvel.

Sem revelar números, o fundador desta competição diz que este ano, as categorias mais concorridas foram paisagem, natureza e crianças. A única participação portuguesa premiada com um primeiro lugar concorreu à secção natureza morta: Daniel Fonseca, natural do Porto, ganhou o primeiro prémio na edição deste ano. A fotografia que enviou mostra um estendal visto por baixo e foi captada em Guimarães, em Agosto de 2012, durante a Capital Europeia da Cultura.

“Numa das praças estava uma instalação que utilizava estas camisas e achei um efeito visualmente tão interessante que não resisti a fotografar e processar a foto”, disse ao PÚBLICO por e-mail. Para além da fotografia vencedora, enviou outras 9. As regras do concurso permitem que por pessoa sejam enviadas no máximo 10 fotografias, sendo que, há um valor a pagar na inscrição – para a edição de 2014, o envio de 10 fotografias significa o pagamento de 27,5 dólares (cerca de 20 euros). Para Daniel Fonseca, o resultado foi um primeiro prémio e duas menções honrosas, uma também na categoria de natureza morta, com uma fotografia tirada no Algarve, a chapéus-de-sol amarelos abertos no chão, outra na categoria de arquitectura, com uma imagem da ponte de Portimão.

“Acho que é uma excelente forma de divulgar o nosso país a todo o mundo e mostrá-lo de uma forma muito moderna”, diz Daniel, que aproveita o iPhone não só para fotografar mas também para alterar as fotos com filtros, o que é permitido pelo concurso, desde que seja feito apenas através de aplicações iPhone. Cerca de 60% das fotografias enviadas para o IPPAWARDS foram alteradas com estas aplicações. Para Kenan Aktulun, aplicar um filtro no iPhone no momento em que se fotografa faz parte da maneira como o fotógrafo se sente em relação àquele instante. “Não permitimos fotografias corrigidas no computador porque quando alteramos as imagens posteriormente já estamos com um estado de espírito diferente”, explica o fundador.

“Adoro a sua versatilidade e possibilidade de facilmente fazer filtros sobre filtros e, assim, criar um resultado único, dificilmente repetível (nem mesmo por mim mesmo)”, diz Daniel que, sendo fotógrafo amador, começou a apaixonar-se pela fotografia há cerca de 10 anos, quando comprou a sua primeira máquina digital. Em 2012, com o seu iPhone descobriu a iPhonography, a fotografia feita com estes telemóveis.

Tal como Daniel, apesar de haver muitas participações de profissionais, a maioria dos participantes são apenas “pessoas que adoram capturar momentos com o seu iPhone”, conta Kenan.

“A minha Nikon e o conjunto de lentes que tenho dá-me algumas possibilidades técnicas que não consigo ter no iPhone. O facto de ter sempre o iPhone comigo, a sua simplicidade de utilização, as aplicações para trabalhar as fotos e a possibilidade de as partilhar imediatamente (incluindo até a informação do preciso local em que foram tiradas) é algo que me fascina”, diz Daniel que, ainda assim, não consegue dizer que prefere a fotografia com o telemóvel.

Para Kenan Aktulun a beleza das fotografias tiradas com iPhone não está na sua qualidade, até porque, confessa, as que recebe para o concurso nem sempre são as melhores. “É a recordação de um momento que tem algum tipo de significado e a que por alguma razão ficamos ligados emocionalmente. É essa a razão por que a iPhonography está a crescer e milhões de pessoas partilham as suas fotos todos os dias.”