Cristiano Ronaldo: “Não podemos facilitar mais”

O internacional português acredita numa vitória sobre o Azerbaijão e no apuramento para o Mundial 2014.

Cristiano Ronaldo concentrado no objectivo
Foto
Cristiano Ronaldo concentrado no objectivo Ronen Zvulun/Reuters

O empate (3-3) frente a Israel deixou Portugal em posição complicada no apuramento para o Mundial 2014, no Brasil. Mas Cristiano Ronaldo continua a acreditar que a selecção nacional vai garantir uma vaga na prova. “Não podemos facilitar mais. Não podemos perder ou empatar mais jogos. A margem de erro é nula. Temos de entrar com a ambição de ganhar os jogos todos. É isso que vamos fazer”, sublinhou o internacional português, em declarações reproduzidas pela Federação Portuguesa de Futebol.

“Infelizmente o último jogo não correu como nós desejaríamos, mas acho que tivemos atitude e batalhámos bastante. Por diversas razões não conseguimos ganhar. Há que ter o pensamento positivo que na terça-feira vamos mudar isto”, acrescentou Cristiano Ronaldo, que não poderá defrontar o Azerbaijão: “No último jogo levei um cartão amarelo e vou ficar de fora, o que me deixa bastante triste.”

Apesar de não poder jogar, Cristiano Ronaldo vai continuar com a selecção. “Acho que a minha presença é importante. O mais fácil era ir-me embora para o meu clube, mas eu disse que queria ficar, porque gosto de estar aqui. Acho que o meu contributo, mesmo sem jogar, é importante para a selecção, para os meus companheiros e para mim também”, disse.

“Mesmo fora de campo, vou estar a torcer por Portugal, pelos meus companheiros, para que possamos fazer um bom jogo e ganhar, que é o nosso objectivo”, notou ainda Cristiano Ronaldo.

Sobre o apuramento para o Mundial 2014, o internacional português diz que continua a acreditar. “O sonho tem de continuar, porque matematicamente ainda é possível. Tenho esperança que Portugal vai apurar-se e vamos estar no Mundial. Temos uma tarefa difícil, mas não impossível. Acho que os jogadores sabem das dificuldades que vamos ter nos próximos jogos, mas tenho confiança nesta selecção e no nosso país. Todos juntos vamos conseguir”, concluiu.

Sugerir correcção