Deco encontrou ADN de cavalo em produtos da Auchan e El Corte Inglés

A associação de defesa do consumidor Deco reclama um maior esforço na fiscalização a este tipo de produtos.

Já foram retiradas do mercado 79 toneladas de carne de cavalo
Foto
Foram abatidos 4700 cavalos cuja carne não estava apta para consumo humano mas foi falsificada e comercializada em vários países da UE INA FASSBENDER/Reuters

A Deco encontrou ADN de cavalo em hambúrgueres e almôndegas comercializados pela Auchan e pelo El Corte Inglés, mas numa visita a estas lojas efectuada depois da recepção dos dados laboratoriais a associação já não encontrou estes produtos.

Foram pedidas análises laboratoriais a 30 amostras de hambúrgueres, canelones, almôndegas e lasanhas e encontrou-se ADN de cavalo em três delas. Nos hambúrgueres da Auchan e almôndegas Polegar (comercializadas pela Auchan) foram detectados vestígios inferiores a 1%, enquanto na lasanha do El Corte Inglés a presença de ADN era de 1% a 5%.

A associação adianta que voltou às lojas após saber os resultados e já não encontrou estes produtos, mas sublinha que a dimensão da fraude é “muito mais alargada do que se poderia pensar quando os primeiros contornos começaram a ser desvendados no Reino Unido, em Janeiro”. 

A Deco reclama mais “transparência e rótulos com a origem da carne utilizada nos alimentos processados” e recomenda o reforço da fiscalização.

“Até ao momento, não há provas de que a carne de cavalo detectada represente um risco para o consumidor, mas é inaceitável que a sua incorporação nos alimentos não seja indicada no rótulo”, refere a associação, salientando que estes factos “põem em risco a confiança dos consumidores”.

A Deco alerta ainda para o número crescente de intermediários e fornecedores na cadeia alimentar, o que “dificulta que as autoridades consigam descortinar os meandros da teia de relações”.
 

Sugerir correcção