Empresa offshore Pineview Overseas, dona da Newshold, é toda da família Madaleno

Presidente do BES Angola revela nomes dos accionistas indirectos da dona do Sol.

Álvaro Sobrinho esteve à frente do BESA durante mais de dez anos
Foto
Álvaro Sobrinho esteve à frente do BESA durante mais de dez anos Raquel Esperança

O empresário angolano Álvaro Madaleno Sobrinho revelou nesta sexta-feira ser um dos cinco accionistas da empresa Pineview Overseas, a principal proprietária da Newshold, que em Portugal detém o semanário Sol e uma quota de 15,08% na Cofina, que edita, entre outros, o Correio da Manhã e o Jornal de Negócios. Os restantes quatro accionistas são todos da sua família.

Numa declaração publicada na edição desta sexta-feira do jornal Sol, ocupando quase metade da penúltima página, ao lado da ficha técnica do jornal, Álvaro Madaleno Sobrinho diz que decidiu “unanimemente”, com os restantes accionistas da empresa offshore registada na cidade do Panamá, divulgar a sua identidade. Para, no fundo, satisfazer o “interesse fortemente manifestado por diversos comentadores ligados a vários órgãos de comunicação social”.

Segundo o gestor, a Pineview Overseas é “detida em partes iguais” por si e por Carlos de Oliveira Madaleno, Generosa Alves dos Santos e Silva Madaleno, Sílvio Alves Madaleno e Emanuel Jorge Alves Madaleno. Ou seja, a cada um cabe uma quota de 20% da empresa que detém 91,25% da Newshold, de acordo com informação disponível na CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários).

O que Álvaro Sobrinho não diz na sua declaração é que foi precisamente a CMVM que há duas semanas pediu à Newshold que identificasse os seus accionistas directos e indirectos. Na altura, a Newshold tinha emitido um longo comunicado onde admitia o seu interesse em participar na privatização ou concessão da RTP e criticava a atitude que em Portugal se tem em relação à natureza dos seus accionistas. Dizia mesmo que apenas por preguiça os jornalistas e comentadores não conheciam os seus proprietários, uma vez que estes eram do conhecimento da CMVM – que veio negar essa versão.

O que significa que agora faltará ainda identificar os proprietários dos restantes 8,75% da Newshold.

O gestor aproveita também para admitir que “é mesmo accionista” da Akoya Asset Management SA através de uma sociedade por si detida, denominada Coltville. Porém, acrescenta, “não pertence nem nunca pertenceu a qualquer órgão de gestão” da Akoya. Uma ressalva que está ligada ao facto de alguns dos gestores deste grupo estarem envolvidos no caso de branqueamento de capitais e fuga ao fisco denominado Monte Branco.

Preocupados com a “gravidade da situação” em torno deste caso, diz Álvaro Madaleno Sobrinho, os accionistas da Akoya pediram à autoridade de supervisão suíça uma inspecção extraordinária à empresa. Os resultados desta auditoria, conta o gestor, acabaram por apenas confirmar uma outra feita um mês antes da polémica ser conhecida, e que atribuíra “uma excelente classificação aos procedimentos e regras instituídas pela lei suíça”. Ou seja, na prática, a empresa estava a funcionar na legalidade.

Na declaração publicada no Sol, Álvaro Sobrinho conta também que é accionista maioritário da empresa suíça Signet Asset Management, em parceria com o grupo suíço Signet.

Na área financeira, o empresário detém, a título individual, 5% do BESA – Banco Espírito Santo Angola, assim como cerca de 3% da Espírito Santo International através de várias sociedades detidas maioritariamente por si. Esta última empresa controla, por sua vez, a maior accionista do Banco Espírito Santo, a Espírito Santo Financial Group. O gestor é actualmente presidente do conselho de administração do BES Angola, depois de ter sido algum tempo presidente executivo da mesma instituição financeira.