Vendaval de dois dias chegou para assorear uma barra que custou 980 mil euros

Foto
Mar abriu barra que foi fechada por colocar em risco espaço urbano Melanie Map"s

Tal como os pescadores previram, a nova barra na Fuzeta, em Faro, durou muito pouco. Barcos já só entram um de cada vez e apenas na maré cheia

A barra da Fuzeta, em Faro, fechou assim que abriu. Tal como avisaram os pescadores, dois dias depois de a presidente da Sociedade Polis da Ria Formosa, Valentina Calixto, visitar a obra, no primeiro vendaval formou-se uma língua de areia com cerca de 50 metros. Resultado: os barcos só conseguem entrar no porto um de cada vez e com a maré cheia.

"Nem que se pintem de cor-de-rosa às risquinhas. O mar vai voltar a romper onde fecharam a barra, no Verão passado", advertiu Manuel Simões, manifestando-se contra a obra da Sociedade Polis da Ria da Formosa e da Administração da Região Hidrográfica (ARH). A tirar e pôr areias já foram gastos cerca de um milhão de euros, e vão ser investidos mais 750 mil.

No último Inverno, caíram 38 casas com os temporais. Depois disso, decidiu-se fechar uma barra a poente e abrir uma outra a nascente. Valentina Calixto justificou a intervenção com base em estudos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil e da Universidade do Algarve e ARH.

Pescadores pedem paredões

Só que o primeiro vendaval, há uma semana, mostrou que o investimento foi "dinheiro deitado ao mar". Os homens do mar reivindicam a construção de paredões para suster as areias, mas Valentina Calixto recusa a proposta. "Do ponto de vista técnico é desaconselhável, do ponto de vista legal não é possível", afirma. Há três dias, uma equipa de técnicos visitou o local, com a maré cheia. "Deviam vir ver o lindo trabalho que fizeram, mas era com a maré vazia", reclamou Fernando Bartolomeu, enquanto tirava salmonetes do barco, acabado de chegar do mar. "Se não for feito uma paredão, não vale a pena gastar dinheiro", insiste. Manuel Simões entende que a barra "deve ser aberta onde o mar rompeu em 2009 [do lado poente]". A sociedade Polis mandou fechar o canal porque essa alteração morfológica "criou fragilidades na zona frontal ao espaço urbano da Fuzeta". O pescador Manuel Simões contrapõe: "Não é por acaso que as instalações do Salva-Vidas foram construídas em frente desse local - é porque ali é que é a barra natural."

Valentina Calixto justificou o assoreamento verificado com facto de essa barrar ter "entrado em concorrência com a outra barra antiga, situada mais a nascente, e ocorreu uma situação de vasos comunicantes". Para repor o equilíbrio, adiantou, foi "adjudicado o fecho dessa barra antiga". O custo da obra, incluindo o reforço do cordão dunar, é de 750 mil euros.

"Branquear decisões"

O assoreamento do canal, acrescentou, "era um cenário previsível, dado que a barra necessita de um certo período para evoluir".

João Romeira é um dos quatro elementos da comissão de pescadores, criada para ser o interlocutor da ARH nesta questão conflituosa com os pescadores. Na passada sexta-feira, quando viu chegar os técnicos que iam observar a evolução da barra, recentemente aberta, desabafou: "Só servimos para branquear a decisão tomada pelos engenheiros." O colega de comissão, Tibério Estrela, foi mais longe nas críticas. "Jogos de interesses - gastaram 980 mil euros a fechar uma barra e a abrir outra", disse. No temporal que se avizinha, prevê: "A barra fecha, de nada serve o dinheiro gasto."