Um branco minhoto com a filosofia Mourinho

Foto

Na região dos Vinhos Verdes, os exemplos de excelência ainda são muito reduzidos e o que continua a fazer escola é a aposta em vinhos baratos e com "agulha (gás carbónico). Os Alvarinho, verdadeira jóia da coroa, são a excepção que confirma a regra, mas excepção ainda maior é o posicionamento assumido por dois produtores com laços de parentesco entre eles e que têm Anselmo Mendes como enólogo consultor: a Quinta do Ameal, de Pedro Araújo, e a Casa de Cello, de João Pedro Araújo. São primos e estão para a região dos Vinhos Verdes como está o treinador José Mourinho para o futebol: com vaidade, um pouco de arrogância até e auto-estima elevada, convencidos de que podem fazer tão bem ou melhor que os melhores do mundo.

João Pedro Araújo é o que leva mais longe este "descaramento". Quando a região, em geral, se mostra incapaz de ultrapassar a fasquia dos cinco euros por garrafa, a Casa de Cello, situada em Amarante, produz um vinho branco, o Quinta de Sanjoanne Superior, com um preço recomendado de venda ao público de 30 euros. O vinho mais barato, da mesma gama, é um verde que custa cinco euros. O Quinta de Sanjoanne Escolha custa 9,5 euros, o espumante 16 euros e o Passi (doce natural) 15 euros.

O mesmo proprietário possui a Quinta de Vegia, no Dão, e aqui os preços variam entre os seis euros, para o vinho de entrada, o Vegia, e os 25 euros, para o Quinta da Vegia Reserva. São vinhos que fogem um pouco ao classicismo do Dão, com taninos mais dóceis e uma maior suavidade, mas que surpreendem pela frescura e delicadeza.

Os brancos da Casa de Cello rompem ainda mais com as tradições da região dos Vinhos Verdes. Não têm gás carbónico e juntam na sua composição algumas castas "estranhas", como o Chardonnay e a Malvasia Fina. São vinhos bem trabalhados a partir da vinha.

O espumante, o vinho doce e, sobretudo, o branco Quinta de Sanjoanne Escolha 2004 (apresenta deliciosas notas químicas de evolução e termina de forma muito fresca e viva) são bastante interessantes. Mas o grande vinho da casa é mesmo o Quinta de Sanjoanne Superior. A colheita de 2007 foi a última a sair para o mercado. Lote de Alvarinho e Malvasia Fina, é um vinho delicadamente floral e sem o exagero de fruta tropical típico da grande casta minhota. Tem uma excelente textura (muita battonage) e mineralidade, boa presença de fruta na boca e uma acidez arrebatadora, que torna o final longo e delicioso.

É, de facto, um belo vinho branco, mas o seu preço talvez seja um pouco exagerado. João Pedro Araújo diz que se trata de um "preço psicológico", destinado a valorizar a região. "Nós fazemos vinhos para competir com os melhores do mundo", sustenta. José Mourinho não diria melhor. Quinta de Sanjoanne Superior 2007

Casa de Cello

Amarante

Castas: Alvarinho e Malvasia Fina

Graduação: 12,5% vol

Região: Vinhos Verdes

Preço: 30?

Nota de prova

8,5

Relação Qualidade/Preço

8

Escala de 1/2 (mau)

A 9/10 (excelente)