Lisboa discute taxas de entrada e dormida para turistas

A Associação de Turismo de Lisboa (ATL) vai discutir esta semana uma proposta da câmara liderada pelo socialista António Costa para que os turistas paguem uma taxa de entrada e outra de dormida nos hotéis e pensões da capital. Os hoteleiros temem os efeitos negativos para o sector.

Segundo Luís Alves de Sousa, da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP), a câmara lisboeta apresentou uma proposta para que cada turista pague um euro para entrar na cidade. O delegado regional de Lisboa da AHP duvida que a identificação dos turistas e a cobrança será mais difícil entre os utentes da ferrovia do que entre aqueles que chegam de avião ou de barco. A autarquia pretende ainda lançar outra taxa de dormida, de 0,20 euros, para pensões, a 1,90 euros nos hotéis de cinco estrelas. O responsável da AHP revela que esta sobretaxa de alojamento, aplicável por pessoa e por noite, poderia render aos cofres municipais 6,3 milhões, enquanto a de entrada partiria de um cálculo de 7,1 milhões de euros. Mas a proposta, acrescenta Alves de Sousa, "foi rejeitada por todos os associados da AHP", uma vez que Lisboa "vai perder competitividade em relação a outros destinos".

A ATL "não comenta", adiantando apenas que a proposta será analisada numa próxima reunião. Uma assessora de António Costa disse tratar-se apenas de "um documento de trabalho que está em cima da mesa para discussão".

No passado, a Associação Nacional de Municípios tentou incluir, no Orçamento do Estado de 2004, uma "taxa sobre a estada de hóspedes em estabelecimentos hoteleiros". Na altura, a AHP repudiou a proposta do "imposto encapotado", que não foi avante.