Na categoria Ciência Sociais

Restauro de guerreiros de Xian distinguido com Prémio Príncipe das Astúrias

Das oito mil estátuas, seis mil foram já restauradas
Foto
Das oito mil estátuas, seis mil foram já restauradas Thierry Roge/Reuters

A equipa que há 36 anos está a recuperar e a restaurar os mais de oito mil guerreiros de terracota que formam o Exército de Xian, descoberto em 1974, foi distinguida com o Prémio Príncipe das Astúrias na categoria Ciência Sociais.

O galardão foi justificado com o trabalho desenvolvido pela equipa que tem estudado, restaurado e dado a conhecer ao mundo os guerreiros de barro.

Das oito mil estátuas com dois mil anos de idade que “protegiam” o túmulo do primeiro imperador chinês, Qin Shi Huan, seis mil foram já restauradas. Aquela que é uma das maiores descobertas de arqueologia de sempre, só comparada à do túmulo de Tutankamón, tem sido ainda considerada com uma das tarefas de arqueologia e ciência mais árduas. Durante décadas têm decorrido trabalhos de escavação, estudo e conservação das estátuas, mas a sua conclusão está longe de chegar.