RTP: José Fragoso é o novo director de programas e José Alberto Carvalho é director de informação

Foto
José Fragoso herda um canal público em franca expansão Pedro Cunha (arquivo)

O nome de José Fragoso, fundador da TSF, que passou pelo PÚBLICO, SIC e que integrou a equipa de Emídio Rangel na RTP, era uma das hipóteses sobre a mesa desde a saída de Nuno Santos para a SIC, em Dezembro.

Para além do nome de Fragoso outra das hipóteses faladas era António Borga, jornalista e actual director da RTP Meios de Produção, que também transitou da SIC para a RTP com Emídio Rangel.

Mas o nome mais falado como hipótese para ocupar o cargo deixado vago pela saída de Nuno Santos para a SIC, no fim do mês de Dezembro, era o de Nuno Artur Silva, director das Produções Fictícias.

Nuno Artur Silva declinou definitivamente o convite para ser director de programas da RTP. "Não ficaram reunidas as condições" para que aceitasse a proposta da administração da RTP, disse o guionista ao PÚBLICO. As conversações chegaram ao fim hoje à tarde, de forma "muito, muito cordial”. As partes têm "o mesmo entendimento do que deve ser o serviço público", finalizou Nuno Artur Silva. O que ficou a faltar para o acordo, apurou o PÚBLICO, estará relacionado com a idealização de um cargo mais transversal, a figura de um director-geral, o que a lei não permite.

José Fragoso herda um canal público em franca expansão, tendo conseguido o segundo lugar entre os três canais generalistas e deixando para trás a SIC, na terceira posição pela primeira vez em 15 anos. E perde para já dois grandes trunfos em termos de audiências que escaparam entre os dedos ao canal público nos últimos meses: os direitos de transmissão dos jogos da Taça de Portugal, que historicamente tinham lugar na RTP e que foram agora para a SIC; e, mais recentemente, os Gato Fedorento, que acabaram por não renovar contrato com o canal público, ao fim de dois anos, e decidiram integrar também a equipa da SIC.

Com a ascensão de Luis Marinho ao lugar de administrador responsável pela área da programação, tinha também ficado por decidir quem ocupava a cadeira de director de informação. A escolha recaiu sobre José Alberto Carvalho, actual sub-director, um dos pivôs do Telejornal e uma das caras mais populares da informação da RTP, a par com José Rodrigues dos Santos.

Mas esta direcção de informação ocupada agora por José Alberto Carvalho tem contornos um pouco diferentes da de Luis Marinho, que equivalia a um cargo de director-coordenador, com mais poder. Não há, para já, director-coordenador”, disse um elemento da administração, ao PÚBLICO.