O que é a União da Jihad Islâmica?

a Ninguém conhecia a União da Jihad Islâmica (UJI) até ao Verão de 2004. Uma vaga de atentados começara a sacudir Tasckent, a capital do Uzbequistão, meses antes. Em Março morriam 47 pessoas. Em Julho, as bombas atingiram as embaixadas dos EUA e de Israel, mataram quatro pessoas, e segundo a AFP a UJI fez a sua primeira reivindicação dos ataques. Os analistas sabem que a UJI, também conhecida como Grupo da Jihad Islâmica, é uma facção do Movimento Islâmico do Uzbequistão, que também opera na Ásia Central. A luta da UJI (sunita) faz-se por um estado islâmico no Uzbequistão, mas também evocam a solidariedade para com a jihad (guerra santa) dos "irmãos muçulmanos do Iraque, Palestina, Afeganistão, Hijaz [Arábia Saudita] e outros territórios muçulmanos", conforme informaram na declaração que se seguiu aos atentados de 2004.
Entraram para a lista de grupos terroristas dos EUA no ano seguinte, e pouco depois para a da ONU. Washington justificou a decisão dizendo que os seus membros, que entretanto se aproximaram da Al-Qaeda, tinham por alvo "americanos e propriedades americanas no estrangeiro, e constituem uma séria ameaça aos interesses americanos", cita a AFP.