"O Livro da Selva", de Rudyard Kipling

O livro de Rudyard Kipling é composto por sete contos diferentes, todos eles tendo animais como protagonistas. Concentremo-nos, porém, nas três primeiras narrativas que têm como principal figura o pequeno Máugli, uma criança humana. É neste conjunto de contos que Kipling melhor explora a principal temática do livro: o código de conduta dos animais, pois também eles se organizam e têm valores morais e regras de coexistência.O primeiro conto, "Os Irmãos de Máugli", começa com a surpreendente chegada de um bebé humano a uma toca de lobos. Corajoso e expedito, o pequeno ser consegue calmamente escapar das garras do tigre coxo, o fanfarrão Xer Cane, e do mesquinho chacal Tábàqui. O Pai e a Mãe lobos, habitantes da toca, têm crias recém-nascidas e sensibilizam-se com a audácia e vitalidade do pequeno "cachorro de homem". Protegem-no de Xer Cane e insistem em mantê-lo na alcateia Seiôuni. Mas para tal é necessário que o conselho dê consentimento, o que acaba por acontecer graças às intervenções de Bálu, o urso pardo, e de Bàguirà, a pantera negra, que intercedem a favor do pequeno Máugli.Ao longo do conto, Máugli vai aprender as regras da Selva, segundo os ensinamentos rigorosos de Bálu - que admira a inteligência e a perspicácia do seu pupilo mas que é rígido na maneira de ensinar -, e enfrentar um dia-a-dia de felicidade mas também de perigo. Para tal, a presença de Bàguirà como sua protectora incansável vem a revelar-se fundamental. Xer Cane não desiste de tentar capturar Máugli e a alcateia deixa de ver com bons olhos a presença de um ser humano entre os animais selvagens. No final, quando Àquêlà, o chefe da alcateia, começa a ser contestado por ser um líder enfraquecido - e por Xer Cane fomentar a sua contestação... - Máugli vê-se obrigado a abandonar a sua família adoptiva e a regressar ao meio dos homens. Porém, não o faz sem que antes exija o respeito dos que tentaram traí-lo, sem que registe a lealdade dos que nunca o abandonaram e, acima de tudo, sem que garanta a segurança do velho Àquêlà.Má experiência entre os humanosO segundo conto relata um episódio em que Máugli é raptado pelos loucos macacos da tribo Bândarlogue, coisa que acontece ainda algum tempo antes de o pequeno humano abandonar a alcateia. Os Bândarlogue são os únicos animais da selva que não merecem o respeito, nem tão pouco a atenção, de todos os outros animais. São disparatados, vaidosos, não têm líder nem leis, julgam-se superiores e não respeitam as regras dos outros. Bálu proíbe Máugli de ter contacto com esta tribo. Mas, quando o faz, já é demasiado tarde, pois Máugli já terá sido assediado pelos macacos, que acabam por raptá-lo e levá-lo para as Moradas Frias, uma aldeia abandonada já fora da selva. Bálu, Bàguirà e Cá, uma pitão que é o único animal que os Bândarlogue temem, vêem-se obrigados a lutar pela vida de Máugli e pelas suas próprias vidas. Mas a batalha termina com uma farta recompensa para Cá.No terceiro conto sobre a vida de Máugli, o pequeno homem já é um habitante da aldeia. Contudo, Máugli não se sente confortável entre os homens, pois foi criado entre animais, os quais têm regras diferentes. Além disso, os homens nem sempre respeitam os animais como deveriam. Durante a estadia na aldeia, Máugli toma conta de gado, aprendendo a conduzir manadas. A dada altura, o lobito Irmão Cinzento encontra-se com Máugli para o alertar sobre as intenções de Xer Cane, que planeia capturá-lo, agora entre os homens. É então que Máugli cumpre uma p