Discurso da líder da Juventude Internacional Socialista torna-se viral

Beatriz Talegón alega que "a esquerda" passou a estar ao serviço das elites, "dança com o capitalismo" e é "burocrática".

Um vídeo com a intervenção da secretária-geral da União Internacional de Jovens Socialistas durante a reunião da Internacional Socialista (IS) em Cascais, na semana passada, onde tece duras críticas aos líderes socialistas, tornou-se viral em Espanha, está a ser muito partilhado em Portugal e, via redes sociais, a chegar à América Latina.

Desde segunda-feira registaram-se já várias cópias do vídeo em que Beatriz Talegón critica que os dirigentes do socialismo internacional se reúnam em hotéis de cinco estrelas ou utilizem carros de luxo, o que classificou como “uma falta de coerência”. Uma das versões publicadas no YouTube está a caminho das 400 mil visualizações. O vídeo com o discurso completo segue nos 46 mil.

Um discurso durante a própria reunião da Internacional Socialista que tornou Talegón um dos trending topics no Twitter e mereceu destaque na imprensa espanhola, com artigos em publicações como El País ou Huffington Post. “É o que dizem os jovens nos bares, nas praças, em qualquer reunião de amigos”, disse, em declarações a este último, mostrando surpresa pela reacção que as suas declarações estão a causar.

Na intervenção em Cascais, referiu-se ao que considera ser a crescente distância entre os dirigentes e as forças socialistas e a geração mais jovem, criticando a contradição entre o luxo da própria reunião e o elevado desemprego ou a contestação nas ruas de Espanha. Exigindo que as contas da IS não sejam um “mistério”, recusou que os militantes jovens só sirvam para “aplaudir” e acusou os dirigentes de serem em parte “os responsáveis pelo que está a acontecer” e de não lhes preocupar “em absoluto” a situação.

“O que nos deveria doer é que eles estão a pedir democracia... e nós não estamos aí”, afirmou a jovem de 29 anos, referindo-se à falta de apoio das lideranças para os jovens que protestam nas ruas. “Não nos querem escutar”, disse, considerando que “a esquerda está agora ao serviço das elites, dança com o capitalismo, é burocrática”. “Tem perdido completamente o norte, a ideologia, a conexão com as bases. E isso é algo que a esquerda não se pode permitir.”

Para o ex-presidente da União Internacional de Juventudes Socialistas Joan Calabuig as críticas e reivindicações dos jovens socialistas veiculadas por Talegón cumprem a “normalidade democrática”. Em declarações à EFE, nesta terça-feira, Calabuig admitiu, “com pena”, que a IS “merece” as críticas que lhe têm sido dirigidas por ser uma “organização antiga” que deve fazer “mais esforço por adaptar-se à realidade do mundo actual”, procurando “modernizar-se, renovar-se e actualizar-se”.

Dura crítica à crítica dura
Nas redes sociais, nos blogues e nos comentários aos vídeos no YouTube, são muitos os qua aplaudem a intervenção de Beatriz Talegón em Cascais. Mas isso não faz da jovem socialista uma figura consensual entre os que, à esquerda, têm protestado contra as medidas de austeridade impostas por sucessivos governos europeus desde 2008.

À propagação do vídeo de Cascais, os cibernautas da esquerda não afecta ao PSOE está a responder com a carta aberta que Julián Jiménez, um antigo dirigente local da Juventude Socialista espanhola, dirigiu a Beatriz Talegón nesta terça-feira. O professor de 29 anos acusa a antiga companheira no Partido Socialista espanhol – que abandonou em 2009, em desacordo com o rumo político do Executivo de José Luis Zapatero – de estar apenas a autopromover-se.

Num longo texto, Jiménez lembra que, quando em 2009 se apresentou publicamente com um discurso de teor idêntico ao de Talegón, foi criticado dentro do PSOE, incluindo pela própria Beatriz, que depois o terá acusado de “deslealdade” após a dissidência. “Ao ouvir-te hoje, querida Beatriz, não pude deixar de me lembrar daqueles comentários que deixaste na minha rede social quando tomei aquela decisão”, escreve. “Aqueles em que falavas de lealdade, de que ser socialista era defender a política do PSOE quer gostes ou não, de que criticar o que agora criticas tu era deslealdade.”

“Queria acreditar em ti, cara ex-companheira, mas não posso fazê-lo. Creio recordar que trabalhavas então em Bruxelas, para o partido a nível europeu. Por que não foste rebelde naquele momento? Quem conhece o podre funcionamento do PSOE sabe que um rebelde nunca chega a um cargo de tanta responsabilidade como o de dirigente da União Internacional de Jovens Socialistas”, atira Jiménez, enumerando depois um conjunto de críticas aos últimos anos do governo socialista e os entendimentos com o PP de Rajoy.

O jovem activista diz acreditar “sinceramente” que o discurso de Talegón é “mera pose” dirigida aos “incautos de boa-fé”, para que vejam nele “um ar fresco que, honestamente, não existe no PSOE”.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues