Bruno Maçães e Pedro Lomba são o espelho do executivo que temos: ideologicamente primário, tecnocraticamente incompetente, politicamente inexistente.