• Um governo que ignora que, sem investigação científica, um país está condenado a estagnar, é um governo que não serve.

  • Infelizmente, vejo mais do mesmo, a menos que o prisma de visão lhe permita de Bruxelas ver mais longe e as conversas com os dirigentes de fora da Europa a alertem para reverter políticas economicamente suicidas.

  • Socialistas espanhóis terão dado a entender que o discurso de Seguro não era oportuno numa fase em que disputa a liderança.

  • Candidato às primárias do PS apontou a emigração e o desemprego como factores para a instabilidade da Segurança Social.

  • O líder do PS falou ainda da TAP, para dizer que se opõe à privatização e que defende que a empresa deve ser capitalizada com recursos da lusofonia.

  • Em 2008, no primeiro Governo de José Sócrates, o PS voltou à carga para mudar o sistema eleitoral. O então líder parlamentar Alberto Martins encomendou um estudo sobre o assunto a uma equipa de académicos, chefiada por André Freire e que incluía Manuel Meirinho Martins e Diogo Moreira.

  • Há mais de 30 anos, quando ainda era deputado do PS, António Barreto marcou o debate político em Portugal por ser o primeiro político da esquerda portuguesa a defender a mudança radical do sistema eleitoral. Defendia então que Portugal devia trocar o sistema proporcional pelo maioritário. E assim tornar mais personalizada a escolha dos eleitores ao votarem em listas uninominais, elegendo um deputado por círculo, em vez das listas plurinominais que elegem vários. “Só em Lisboa elegemos 55 deputados. Ninguém sabe em quem vota”, afirma o sociólogo.