Falso artigo científico aceite para publicação por mais de 150 revistas de acesso livre

Uma autêntica golpada, concebida por um jornalista da Universidade de Harvard, põe a nu um submundo de publicações científicas online que não fazem nenhum controlo da qualidade científica dos artigos que publicam.

Ao contrário das revistas em papel, pagas pelas assinaturas, as revistas online de acesso livre são financiadas pelos autores dos artigos WIKIMEDIA COMMONS/VMENKOV

A operação foi meticulosamente planeada e a sua execução durou um ano. Os resultados, revelados esta sexta-feira pela revista Science, falam por si: em troca de pagamento por parte dos autores, dezenas de revistas científicas de acesso livre mostraram-se dispostas a publicar um artigo com falhas metodológicas graves e óbvias, cujo autor concluia, saltando directamente do tubo de ensaio para a clínica, ter descoberto um promissor novo medicamento contra o cancro.

O autor da cilada, John Bohannon, jornalista de ciência da Universidade de Harvard (EUA), enviou a sua “descoberta”, assinada por um cientista fictício que trabalhava numa universidade fictícia, para os editores de 304 revistas online de acesso livre especializadas em investigação médica e áreas afins. Dessas, 98 recusaram o artigo – mas 157 aceitaram-no.

Recorde-se que, ao contrário das revistas com assinaturas pagas (como a Science ou a Nature), as revistas de acesso livre (a mais conhecida das quais é a PLoS ONE) são financiadas através do pagamento de uma dada quantia pelo cientistas cujos artigos são aceites para publicação.

Mais resultados: das 255 revistas que enviaram uma resposta de recusa ou de aceitação, 60% fizeram-no sem dar qualquer sinal de que os resultados tivessem sido submetidos a uma avaliação científica pelos pares – a norma, em termos de controlo de qualidade, em qualquer revista científica digna desse nome. E das 106 revistas que realizaram de facto alguma avaliação, 70% acabaram por aceitar o artigo para publicação.

“Qualquer revisor com conhecimentos de química acima do ensino secundário e a capacidade de perceber um gráfico elementar deveria ter detectado imediatamente as falhas do artigo”, escreve Bohannon na Science. “A qualidade das experiências é tão má que os resultados não fazem qualquer sentido.”

Nem todas as revistas que aceitaram o falso artigo podiam ser vistas como publicações de vão de escada ou de duvidosa honestidade: entre elas, houve publicações ligadas a gigantes da edição científica como a Elsevier de Amesterdão ou a Sage de Nova Iorque. Bohannon refere em particular o caso da Journal of International Medical Research, da Sage, cujo director é professor de psicofarmacologia no King’s College de Londres – e que, sem exigir qualquer alteração do artigo, lhe enviou uma carta de aceitação e uma factura de 3100 dólares. Pelo contrário, a PLoS ONE esteve à altura do desafio: rejeitou o artigo em duas semanas com base na sua falta de qualidade científica.

“Os resultados desta golpada revelam os contornos de um Oeste selvagem emergente nas publicações académicas”, salienta Bohannon. Embora perto de um terço das revistas "apanhadas" por esta operação secreta tenha sede na Índia (64 aceitações e 15 rejeições), os EUA vêm logo a seguir no palmarés, com 29 aceitações e 26 recusas. “Mas mesmo quando as editoras e as contas bancárias têm sede em países em desenvolvimento, a empresa que em última análise recebe os lucros pode estar nos EUA ou na Europa”, faz notar Bohannon.

“Toda a gente concorda em dizer que o acesso livre é uma coisa boa. A questão é como concretizá-lo”, frisa um dos cientistas que acompanhou todo o processo, citado por Bohannon.
 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues