Há coisas inacreditáveis que são mesmo verdade e outras que parecem certas mas que não resistem a uma análise crítica. Fazer exames médicos de rotina, mesmo sem qualquer sintoma, parece uma boa ideia, mas na realidade pode causar mais problemas do que aqueles que previne.

  • Há coisas inacreditáveis que são mesmo verdade e outras que parecem certas mas que não resistem a uma análise crítica. Fazer exames médicos de rotina, mesmo sem qualquer sintoma, parece uma boa ideia, mas na realidade pode causar mais problemas do que aqueles que previne.

  • A ciência também é feita de incertezas e há quem as aproveite para passar ideias erradas e sem fundamentação científica. Assim nascem movimentos pseudocientíficos como o das antivacinas e o da rejeição das estatinas.

  • Uma mutação genética associada a uma doença cardíaca hereditária foi corrigida com a técnica de edição de genes chamada CRISPR/Cas9. Apesar do sucesso da experiência, os cientistas avisam que é preciso mais investigação antes de se levar esta solução para a prática clínica

  • Hugo Sousa, médico e investigador, é o primeiro português a ser distinguido pelo Prémio de Diagnóstico Abbott. Em causa está a descrição, inédita em seres humanos, de uma mutação genética no citomegalovírus que afecta doentes transplantados.

  • Dois anos depois da complexa cirurgia que durou quase 11 horas, Zion Harvey é, para já, um caso de sucesso. Num artigo publicado na revista The Lancet, a equipa médica admite, no entanto, que é preciso mais investigação para avaliar a recuperação a longo prazo

  • Parece um avental, pode ocupar até 1500 centímetros quadrados do corpo e tem funções imunitárias. Mas também é muito vulnerável às metástases de cancros gastrointestinais e dos ovários.

  • Sistema foi testado com cordeiros mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia que o desenvolveram acreditam que poderá vir a servir para bebés extremamente prematuros.

  • A medicina baseada na ciência, com todas as suas limitações, tem desenvolvido processos rigorosos que permitem saber se um tratamento funciona ou não. E isso faz toda a diferença.

  • A combinação de nanovacinas com radioterapia ou outras imunoterapias pode aumentar, no futuro, a eficácia dos tratamentos contra o cancro.

  • Não faz diagnósticos a doentes vivos. O que Francesco Galassi desvenda são as doenças de figuras históricas através de vários registos históricos. A partir de sábado/amanhã, está em Lisboa para quatro palestras sobre paleopatografia.