p2,veneza,fotografia,exposicao,culturaipsilon,
Palazzo Grassi/Marco Cappelletti

A Master Collection de Henri Cartier-Bresson: o encontro americano

Em 1972, no auge da consagração na Europa e nos Estados Unidos, Henri Cartier-Bresson abandona a fotografia e aceita o convite do casal Dominique e John de Menil, milionários texanos, mecenas das artes e ativistas pelos direitos civis: organizar uma master collection. Une-os uma amizade antiga e uma inquietação sobre a vocação das imagens. A Master Collection mostra-se agora no Palazzo Grassi, em Veneza, a meses da Colecção Pinault inaugurar a nova sede no coração de Paris. Num mundo em crise, o que move uma colecção?

Em 1972, Henri Cartier-Bresson (1908-2004) punha um termo à sua actividade de fotógrafo profissional — preferia o termo “fotojornalista” ao de “artista” que considerava historicamente vencido — para se dedicar ao desenho. Vivia um período de aclamação generalizada e consagração na sequência das exposições no Museu do Louvre (em 1966, depois da mostra na secção das Artes Decorativas em 1955, entrada inédita de um fotógrafo vivo no Louvre), no MoMA de Nova Iorque (1968) e da retrospectiva no Grand Palais, em Paris (1970). Pierre Bourdieu publicara, pouco tempo antes, Un Art Moyen, ensaio sociológico sobre a fotografia como novo hobby das classes médias, apontando repetidamente Henri Cartier-Bresson (H.C.-B.) como referência. No mesmo ano de 1972, H.C.-B. iniciava o processo de saída da agência Magnum Photos que fundara em 1947 com Robert Capa, George Rodger, Rita e William Vandivert, David Seymour e Maria Eisner, descontente com o rumo de uma cooperativa de fotógrafos tornada “um estabelecimento comercial com pretensões estéticas”.