Santuário de Fátima mantém celebração do 13 de Maio sem peregrinos

Ministra da Saúde afirmou que a Igreja Católica portuguesa poderia, se quisesse, encontrar uma forma de celebrar o 13 de Maio, em Fátima, desde que respeitasse normas de distanciamento entre fiéis.

Foto
Santuário de Fátima daniel rocha

O bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, anunciou este domingo que a Igreja decidiu manter a decisão, anunciada a 6 de Abril, de fazer as cerimónias do 13 de Maio à porta fechada e sem a presença de peregrinos devido à pandemia de covid-19.

“Por mais que o nosso coração desejasse estar em Fátima, a celebrar comunitariamente no mesmo lugar, como acontece desde 1917, a prudência aconselha-nos a que desta vez não seja assim. Mantemos esta opção dolorosa na expectativa de, quanto antes, podermos ter neste Santuário as multidões que, na alegria da fé, se reúnem para celebrar e rezar”, anunciou o cardeal, num comunicado lido este domingo a partir do Santuário de Fátima e citado pela agência Ecclesia.

D. António Marto refere que é necessário evitar um “aglomerado imprevisível de pessoas na Cova da Iria”, entre os dias 12 e 13 de Maio, “numa altura em que o risco epidémico é elevado”, o que contrariaria “as orientações das autoridades de saúde, que optaram por fazer um desconfinamento gradual e faseado”.

O comunicado surge depois de a ministra da Saúde ter destacado este domingo que a Igreja Católica portuguesa poderia, se quisesse, encontrar uma forma de celebrar o 13 de Maio, em Fátima, desde que respeitando normas de distanciamento entre fiéis.

A ministra da Saúde esclareceu que o que não poderia acontecer era a tradicional peregrinação que leva pelas estradas milhares de pessoas ao Santuário, depois de, no sábado, ter admitido, em entrevista à SIC, a possibilidade de haver celebrações no 13 de Maio, desde que cumpridas determinadas regras sanitárias – à semelhança do 1.º de Maio organizado pela CGTP.

“Não colocar em perigo a saúde pública”

Num comunicado enviado à agência Ecclesia, o cardeal nota que mantém-se a decisão de “realizar estas celebrações com o recinto fechado, sem a habitual participação dos peregrinos”.

“A decisão da Igreja Católica de seguir as indicações das autoridades civis no sentido de suspender as celebrações religiosas comunitárias decorre da responsabilidade de fazer o que está ao seu alcance para não colocar em perigo a saúde pública, cumprindo também deste modo o mandato evangélico do amor ao próximo”, notou.

Conforme o previsto, as celebrações dos dias 12 e 13 de Maio deste ano não vão contar com a presença dos peregrinos e serão transmitidas online e pelos órgãos de comunicação social.

“Respeitamos, por isso, numa atitude de colaboração com as diversas autoridades, as orientações de realizar estas celebrações com uma presença simbólica de participantes: intervenientes na celebração e funcionários do Santuário”, acrescenta o responsável católico em comunicado.