Ensino Superior

Custos de Lisboa deram à Madeira o seu único aluno de Engenharia Civil

A média de 18,94 valores do luso-venezuelano Juan Baptista pôs Universidade da Madeira no topo da lista dos cursos com médias mais elevadas.
Foto
LUSA/HOMEM DE GOUVEIA

O concurso nacional de acesso deste ano não foi o primeiro em que Juan Baptista, um luso-venezuelano de 20 anos, conseguiu colocação num curso superior. No ano passado, tinha garantido entrada em Engenharia Civil, no Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa. Mas “o custo muito elevado de vida” da capital fez com que este ano se tivesse candidatado ao mesmo curso, mas na Universidade da Madeira.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

A experiência em Lisboa “não foi nada agradável”, recorda Baptista numa entrevista à Rádio Renascença, lembrando os meses em que não conseguiu encontrar uma casa com um custo comportável para a sua capacidade financeira. O preço menor que encontrou situava-se entre os 400 e 500 euros mensais e também não conseguiu um lugar numa residência universitária.

Por isso, ao fim de um semestre deixou o IST e Lisboa e regressou à Madeira, onde vive a sua família. Foi ali que Juan Baptista terminou o ensino secundário, depois de ter abandonado a Venezuela em 2015, face ao agravamento da situação política e social daquele país.

Com a sua média de entrada de 18,94 valores, colocou o curso de Engenharia Civil da Madeira no primeiro lugar da lista dos cursos com as notas de ingresso mais altas. No entanto, o jovem luso-venezuelano não é o aluno com a média de entrada mais elevada deste ano no ensino superior, já que há vários estudantes com notas acima de 19 valores que foram colocados, por exemplo, nos cursos de Engenharia Aeroespacial e Física e Tecnológica, ambos na Universidade de Lisboa, que estão nos lugares seguintes dessa lista.

Apesar de só ter um aluno colocado, o curso tem o seu funcionamento no próximo ano assegurado devido à procura que teve por parte de estudantes internacionais, nomeadamente jovens da província de Free State, na África do Sul, com quem a Universidade da Madeira tem um protocolo. É por isso, também, que este curso é leccionado em inglês – apesar de os exames poderem ser feitos em Português e o apoio aos estudantes nacionais ser feito na sua língua.