Últimas pensões

O néon da Grande Pensão Alcobia vai ser desligado

A pensão lisboeta ocupa um belo prédio situado no limite da Baixa pombalina, na sua parte mais popular, mesmo antes de chegarmos ao Martim Moniz. Brevemente será transformada num hotel.
Fotogaleria

Lembram-se do lettering curvo do Grande Budapeste Hotel, o filme de Wes Anderson sobre o fim de uma época na Europa Central? É essa imagem que nos vem imediatamente à cabeça quando olhamos para o nº 15 da Rua do Poço do Borratém, onde o néon azul da Grande Pensão Alcobia acompanha o arco da porta de entrada. Como estamos também em fim de época para as pensões, é provável que o letreiro já tenha sido desmontado no próximo Verão.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Aos poucos, a Grande Pensão Alcobia está a despedir-se de si própria. Há pouco tempo, no final do ano, desapareceram os porta-chaves em latão das mãos dos hóspedes. São agora exibidos, no seu amarelo reluzente, por trás de Manuela Reis, a recepcionista com uma década desta casa e outros 30 da empresa hoteleira do norte, a Alcotel, que neste momento é proprietária da pensão lisboeta.

“Nós não podemos continuar a ser pensão”, explica Luís Pedro, um dos quatro sócios da Alcotel que neste momento só tem a Grande Pensão Alcobia entre os seus negócios. “A designação desapareceu na legislação. Passámos a ter hotel, apartamento-hotel, alojamento local, turismo rural... O nosso alvará caducou em 2012 e quando pedimos a reclassificação optámos por ser hotel.” De facto, como nos confirma o Turismo de Portugal, com as pensões a serem extintas enquanto tipologia de empreendimento turístico pelo Decreto-Lei 39-2008, todas as que existem têm que ser reconvertidas de acordo com as suas especificidades. A Pensão Nova Goa, por exemplo, situada mesmo ao lado da Grande Pensão Alcobia, já exibe a placa de “Alojamento Local” junto à porta, embora tenha optado por manter o nome pelo qual sempre foi conhecida.

Aqui, na Grande Pensão Alcobia, é uma questão de meses até que o néon seja desligado ou retiradas as letras “G. P. Alcobia” do balcão de madeira, onde está agora a recepcionista que nesta manhã movimentada dá informações a duas turistas espanholas sobre como chegar à estação de camionetas de Sete Rios. O nome do novo hotel ainda não está decidido, diz Luís Pedro, mas a recepção continuará no mesmo sítio, encaixada no vão de escada.

Este, no entanto, não é um vão de escada normal e o charme da pensão passa actualmente pela beleza das escadas deste edifício de cinco andares. Como não têm a parede central mais típica das escadas pombalinas, conseguimos vê-las a enrolarem-se até ao último piso, sempre com o ferro forjado trabalhado e um belo corrimão de madeira. No quinto andar, as escadas são cobertas por uma grande clarabóia de vidro, capaz de inundar os degraus de luz.

A entrada da pensão, que dá directamente para a rua e se faz através de uma porta com duas folhas de madeira e vidro cheia de ferragens de latão, também constrói um espaço muito cenográfico. Com um primeiro patamar quase inexistente, a distância entre a soleira da porta e o patamar da recepção vence-se com um único lanço de escadas com dois metros de largura e meia dúzia de altura.

Quando a actual empresa comprou a Grande Pensão Alcobia em 2004, o estabelecimento esteve fechado dois anos para renovação, tendo nesse ano reduzido o número de quartos de 65 para os actuais 42. Luís Pedro não sabe quando é que a pensão foi inaugurada e não há ninguém com essa memória neste momento a trabalhar na empresa. “Sei que começou com uma coisa pequena e aos poucos foram alugando mais andares. Depois o prédio foi comprado”, afirma. A Grande Pensão Alcobia terá começado a receber hóspedes nos anos 50 ou 60, defende.

Quando reabriram em 2006, não pensaram em rebaptizar a casa do Poço do Borratém, embora o gerente pense que as gerações de clientes mais novas já não reconheçam o charme de uma pensão e a maioria dos turistas estrangeiros não tenha mesmo ideia do que seja uma pensão. “‘Pensão’ é um termo que está associado a um estabelecimento que dava dormida e comida”, continua o sócio. Normalmente com uma confecção caseira e uma gestão mais familiar do que se encontrava num hotel. Nalguns casos, lamenta, “podia ter conotações negativas”, porque associada a realidades como a prostituição.

Hoje, na Grande Pensão Alcobia, já só se servem pequenos-almoços, numa sala que exibe nas paredes painéis de azulejos com os percursos de eléctrico mais famosos da cidade de Lisboa, e há um pequeno bar situado mesmo ao lado da recepção. Luís Pedro reconhece que “um certo ar vintage” que a pensão mantém pode ter os seus atractivos e benefícios, mas defende que hoje os clientes estão sempre à espera de inovação e é difícil optar por deixar o tempo fazer o seu trabalho de decorador. “Se eu voltar a um hotel passados uns anos e encontrar a mesma mobília, provavelmente vou achar estranho. Se é melhor ou pior, não é isso que está em questão, mas é o que as pessoas procuram.”

Um ar um pouco “démodé” é o que tem a decoração roxa e prateada da suite do quinto andar renovada pela última vez em 2006, que ocupa parte das águas-furtadas, mas o ambiente inesperadamente “kitsch” é compensado pela vista frontal do Castelo de São Jorge que descobrimos da janela. No piso inferior, num dos quartos que já apresenta a renovação feita a pensar na reclassificação como hotel que está para breve, as cores clareiam num interior que já procura um certo gosto “vintage”. É possível escolher a vista que continua a valer muitas estrelas optando por uma das três janelas de sacada que abrem para uma espectacular varanda que curva em ângulo recto uma das esquinas do prédio (mas infelizmente é possível descobrir igualmente os armazéns improvisados das lojas do quarteirão a ocupar todo o saguão interior do quarteirão).

O rés-do-chão do edifício da pensão é actualmente ocupado por um dos mais célebres armazéns lisboetas, o Braz & Braz, fundado em 1777, data orgulhosamente exibida no letreiro da loja. O Poço do Borratém é, aliás, um mostruário da Lisboa comercial em extinção: a Lisbonense (limpeza de chaminés), o Hospital das Camisas (transformação de punhos e colarinhos), a Casa Forra (especializada em todo o tipo de peles), a única destas três lojas que consta do programa “Lojas com História”.

Da porta da Grande Pensão Alcobia, vemos ainda a Tasca do Zé dos Cornos, situada já no Beco dos Surradores, a entrar na Mouraria, um restaurante com uma grelha e um entrecosto (com respectivo arroz de feijão) muito recomendados, inclusive pelo nosso suplemento “Fugas”, um dos inúmeros sítios que os hóspedes da Grande Pensão Alcobia têm à mão para comer.

Neste momento, mesmo em frente à pensão, os turistas podem debruçar-se sobre uma escavação arqueológica que encontrou um cemitério do fim da Idade Média no Poço do Borratém, dos séculos XIV e XV, já dentro da muralha fernandina, como nos informa um dos arqueólogos que aí está a trabalhar. Descobrir sepulturas e esqueletos, que estarão à vista até que tudo seja novamente tapado para aí instalar um Ecoponto, que são uma boa metáfora do futuro que está reservado às pensões — farão parte da nossa História. Palavras como “meia pensão” ou “pensão completa” vão precisar de um dicionário etimológico para serem descodificadas, se as que têm resistido a mudar de nome capitularem também. Restará a Pensão Estrelinha, que Herman José imortalizou num réveillon de 1990 para 1991.