Parlamento

BE considera afirmações de Nuno Magalhães "obscenas"

Bloco critica forma como o líder parlamentar do CDS relacionou as vítimas mortais dos incêndios e a moção de censura ao Governo.
Foto
Miguel Madeira

O Bloco de Esquerda afirma que "são obscenas" e merecem o seu "mais severo repúdio" as declarações feitas pelo líder da bancada do CDS, Nuno Magalhães, sobre a forma como os partidos que dão suporte parlamentar ao Governo votarão a moção de censura apresentada pelos centristas na sequência dos incêndios do passado fim-de-semana: "Cabe ao PCP, PS e BE avaliarem se houve ou não falhas e se a morte de cem pessoas é grave", disse Nuno Magalhães aos jornalistas nesta quinta-feira, numa conferência de imprensa sobre a moção de censura dos centristas.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

A mesma ideia já tinha sido defendida pelo líder do grupo parlamentar do CDS na entrevista, publicada nesta quinta-feira, que deu ao PÚBLICO e à Rádio Renascença.

Numa nota enviada ao PÚBLICO, o Bloco de Esquerda começa por reconhecer que a apresentação de de uma moção de censura é um direito constitucional ao dispor de qualquer grupo parlamentar. "Contudo", ressalva, "a dimensão da tragédia provocada pelos incêndios deste ano não autoriza nenhum partido ou dirigente partidário a instrumentalizar o luto nacional e a própria morte das vítimas para fins de disputa partidária".

A moção de censura ao Governo do CDS será discutida e votada na próxima terça-feira.