Paredes aposta no design de mobiliário e nas artes para deixar de ser "uma cidade vulgar"

Financiamento comunitário cobre cerca de 90% dos 16 milhões de euros que custará o projecto Paredes Pólo de Design do Mobiliário

Não é comum ouvirem-se palavras destas saídas da boca de um presidente de câmara: Paredes é "uma cidade vulgar, igual a tantas outras", afirma Celso Ferreira. Mas o autarca tem um plano para transformá-la numa cidade "invulgar": a criação de um pólo voltado para o design de mobiliário e para a arte.

"Queremos colocar o "in" no vulgar", disse ao PÚBLICO Celso Ferreira, que conta com financiamento comunitário para "cerca de 90%" dos 16 milhões de euros que custará o projecto Paredes Pólo do Design de Mobiliário. Uma participação nacional de "apenas 10%" é uma "oportunidade histórica" que tinha que ser aproveitada, mesmo em tempos de restrições financeiras, justificou, numa sessão com munícipes, anteontem à noite. "Se as verbas não forem aproveitadas, regressam a Bruxelas", afirmou.

Os desafios são reforçar o tecido industrial do concelho, mas, sobretudo, renovar a face da cidade, sempre com o design na mira. Um circuito de arte pública no centro urbano, apresentado quarta-feira, será uma das faces mais visíveis do projecto. As obras de arte devem ser instaladas na segunda metade de 2012.

Oito artistas, entre os quais Alberto Carneiro, José Pedro Croft e Rui Chafes, foram convidados a criar obras para serem apreciadas no espaço público e decorre um concurso internacional para escolher mais seis. Oito outros espaços terão "intervenções efémeras", a cargo de "escolas artísticas ou secundárias", explicou José Guilherme Abreu, do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes da Universidade Católica, que assegura a curadoria.

Para beneficiar a fruição das obras e reabilitar partes da cidade, a Câmara de Paredes vai lançar nove intervenções de regeneração urbana (que vão desde a melhoria dos passeios para peões à substituição de pavimentos), com assinatura do arquitecto Belém Lima.

Paredes terá um posto de turismo junto à estação de comboios, que funcionará também como centro de interpretação do circuito de arte pública, e ganhará um auditório para 500 pessoas (ver caixa).

O Paredes Pólo do Design de Mobiliário prevê ainda, entre outros projectos, a dinamização do comércio tradicional (através de intervenções artísticas em montras), a renovação da biblioteca municipal, residências criativas de designers portugueses e estrangeiros em empresas de mobiliário, uma incubadora de empresas e a realização da exposição internacional Art on Chairs, de 14 de Setembro a 11 de Novembro. Desta última, nascerão, por exemplo, dez cadeiras originais, resultado do encontro entre um designer e uma personalidade convidada.