Implosão da torre 5 do Bairro do Aleixo está marcada para dia 16

Operação obriga à declaração de situação de alerta. Rui Rio escolheu aniversário da primeira eleição para iniciar demolição do bairro

O arranque da demolição do Bairro do Aleixo, no Porto, está oficialmente marcado para o próximo dia 16 de Dezembro. Durante a manhã, a torre 5 do bairro será implodida, por a Câmara do Porto entender que a implosão é o método "mais rápido e seguro" de destruir o edifício.

Já há várias semanas que o último morador abandonou a torre 5 do Aleixo e há semanas, também, que a autarquia começou a preparar a demolição do prédio, desmantelando tudo o que podia. Conforme o PÚBLICO já noticiou, foram retirados vidros e caixilhos, portas e janelas, e demolidas estruturas internas que não afectavam a segurança do prédio. Agora, após uma reunião da Comissão Municipal de Protecção Civil, que decorreu ontem à tarde, ficou decidido que a implosão da torre acontecerá no dia 16, pela manhã.

Em comunicado a Câmara do Porto refere que esta decisão obriga ao cumprimento de uma série de mecanismos legais, incluindo a declaração "de situação de alerta", por parte do presidente da autarquia, Rui Rio.

Segundo o mesmo comunicado, a data escolhida pelo grupo de trabalho coincide com o aniversário da primeira eleição do autarca para a presidência da câmara. A autarquia lembra ainda que a demolição representa o cumprimento de uma promessa eleitoral de 2009, que pretende "acabar com a degradação e a miséria humana existente no Bairro do Aleixo".

O processo do Bairro do Aleixo está a ser gerido por um fundo de investimento imobiliário do Grupo Espírito Santo, detido em 60% pelo empresário Vítor Raposo. O ex-deputado do PSD e colega de Rui Rio no Governo está actualmente a ser investigado, no âmbito de um processo de fraude que envolve também Duarte Lima e o filho deste, e sócio de Raposo, Pedro Lima. Rio já disse que esta situação não irá influenciar a demolição do Aleixo. No terreno deverá nascer um empreendimento de luxo.