LNEC vai fazer estudo sobre situação da escarpa dos Guindais

Foto
Derrocada de Dezembro de 2000 ditou intervenção urgente manuel roberto

Avaliação foi encomendada pela empresa municipal portuense Gestão de Obras Públicas, "sem carácter de urgência"

O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) está a avaliar o estado da escarpa portuense do Douro, entre as pontes Luís I e Dona Maria, a chamada escarpa dos Guindais. O estudo foi encomendado pela empresa municipal de Gestão de Obras Públicas (GOP) e não tem carácter de urgência.

O prazo dado ao LNEC para "aferir as necessidades de limpeza, arranjo [e] protecção, entre outras" foi de quatro meses, pelo que o estudo deverá estar concluído "até ao final de Dezembro", explicou ao PÚBLICO o Gabinete de Comunicação e Promoção da Câmara do Porto. A mesma fonte frisa que esta avaliação foi pedida "sem nenhum carácter de urgência", frisando: "Cabe ao LNEC analisar as necessidades de intervenção."

A escarpa dos Guindais ainda é habitada, apesar de as casas existentes no local estarem muito degradadas e rodeadas por vários espaços devolutos. O presidente da Junta de Freguesia da Sé, José António Teixeira, explicou ao PÚBLICO que os seis proprietários de habitações devolutas no Bairro da Tapada, na escarpa, "foram intimados pela câmara e têm um prazo para dizer se vão ou não demolir as casas". O autarca tem a esperança de que, se não houver resposta dos proprietários, a câmara assuma a responsabilidade e avance com a demolição. "Quero acreditar que a câmara tem interesse em demolir isto, porque manter aquilo como está não faz sentido nenhum", afirma.

A escarpa dos Guindais foi palco de uma derrocada, em Dezembro de 2000. Alguns meses depois, o alerta sobre a instabilidade no local levou a uma intervenção urgente, para reforçar a escarpa. José António Teixeira lembra também alguns incêndios que têm ocorrido naquela zona. "As pessoas que lá moram andam sempre com o coração nas mãos", diz.