Início dos voos regulares no aeroporto de Beja mais uma vez adiado

Foto
Abertura estava prevista para Maio, mas falta a certificação da pista DANIEL ROCHA

O director do Terminal Civil de Beja, Pedro Neves, revelou ontem em Ferreira do Alentejo que a abertura da nova unidade aeroportuária só terá lugar no segundo semestre de 2011, quando estava prevista para Maio. Tanto o primeiro voo internacional, que se realiza a 14 de Abril, com destino à povoação de São Filipe na ilha do Fogo (Cabo Verde), após escala na Cidade da Praia, como os 22 voos charter entre Beja e o Aeroporto de Heathrow (Londres), que vão decorrer semanalmente entre Maio e Outubro, têm carácter "excepcional".

Assim, os voos com carácter regular só deverão ocorrer quando estiver concluído o processo de certificação da pista da Base Aérea n.º 11 estiver concluído, o que poderá ocorrer durante o segundo semestre de 2011.

No debate que decorreu durante a apresentação do voo para Cabo Verde e no qual se abordaram as futuras valências do Terminal Civil de Beja, António Pinto da Silva, da Agência Abreu, expressou a sua convicção de que uma das alternativas para o novo aeroporto estará na realização de voos de baixo custo, admitindo que o aeroporto de Beja só ficará "operacional" quando surgir uma companhia low cost.

Outro dos operadores turísticos presentes em Ferreira do Alentejo, a empresa de viagens Soltrópico, interpreta os voos atrás referidos como um "pontapé de saída" para esta infra-estrutura. Nuno Anjos está convencido de que haverá empresas turísticas que estudarão a possibilidade de fazer voos que contemplem escala em Beja.

Contrariamente ao que foi assumido até aqui, Nuno Anjos admite que a viabilização do aeroporto de Beja passa pelo transporte de passageiros e pela carga. O projecto de construção desta infra-estrutura sofreu uma alteração que levou à redução do terminal de carga, por se considerar que esta não seria uma alternativa para Beja. A aposta forte do empreendimento centrou-se no transporte de passageiros, quando se previa a instalação de 22.500 camas turísticas em redor de Alqueva. Porém, o sucessivo adiamento, por falta de dinheiro, de praticamente todos os investimentos programados para a região - que estavam classificados como projectos de potencial de interesse nacional -, colocou fortes reservas ao transporte de passageiros.

O ponto forte do aeroporto de Beja, acredita a ANA, pode vir a ser a instalação de empresas de manutenção de aeronaves. A partir do primeiro semestre de 2012, vão passar a ser reparados em Beja aeronaves comerciais de grande porte e aparelhos para voos de média distância. O acordo neste sentido foi assinado pela ANA com a empresa Aeromec, especializada em reparações e manutenção de aero