Governo admite reduzir indemnizações por despedimento a todos os trabalhadores

Helena André
Foto
Helena André

Reduzir as indemnizações pagas por despedimento de 30 dias para 10 dias de salário por cada ano de trabalho, acrescidos de 10 dias extra ligados a um fundo financiado pelos empregadores, e limitar estes valores a um tecto máximo de 12 meses de salário. Estas são algumas das medidas que o ministro das Finanças anunciou ontem para os novos contratos no âmbito da revisão surpresa do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC), mas que a partir de 2012 podem estender-se aos contratos já existentes. Prevê-se também a eliminação do valor mínimo definido por lei para estas indemnizações, que é actualmente de três meses.

Até agora previa-se que estas medidas, que fazem parte dos pontos que têm sido debatidos entre os parceiros sociais e o Governo em sede de concertação social, apanhariam apenas os novos contratos. Ontem, o Governo anunciou no plano da revisão do PEC que "até ao final de 2011" irá fazer a avaliação do impacto desta reforma, considerando a sua aplicação "a contratos já existentes". Em cima da mesa está também a revisão das condições de atribuição do subsídio de desemprego, mas o Governo ontem escusou-se a dar mais detalhes sobre esta matéria.

O alargamento dos cortes nas indemnizações por despedimento a todos os trabalhadores tem sido defendido pelas empresas, mas ontem o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CEP) reagiu com cautela. "Para os empregadores, faria todo o sentido que essas medidas se fizessem para todos os contratos, mas vamos caminhando. Roma e Pavia não se fizeram num dia", afirmou António Saraiva, à saída de mais uma reunião em sede de concertação social.

O responsável máximo da CEP prevê também que estas medidas irão estar em cima da mesa nos encontros entre os parceiros sociais e a ministra do Trabalho, Helena André, na próxima segunda-feira. Em discussão vai estar também o fundo a constituir pelas empresas para financiar parte das indemnizações por despedimento proposto pelo Governo - ponto que desagrada às confederações patronais, que recusam mais custos.

Já a ministra do Trabalho, confrontada pelos jornalistas com a surpresa causada pelo eventual alargamento da descida das indemnizações aos actuais contratos de trabalho, recusou-se a comentar. Helena André disse apenas que "essa matéria está em discussão em sede de Concertação Social".

À saída da reunião de ontem da Concertação Social, era visível a surpresa de "patrões" e centrais sindicais com as novas medidas de revisão do PEC.

À mesma hora que Teixeira dos Santos anunciou ontem publicamente o novo plano do Governo, os parceiros sociais debatiam com o ministro da Economia e a ministra do Trabalho propostas de incentivo à revitalização da economia."Soubemos agora por SMS que o ministro das Finanças tinha anunciado um novo PEC", reagiu o presidente da CEP, que não escondeu o desagrado: "Quando estamos aqui a discutir algumas matérias e depois somos surpreendidos com estes anúncios de facto, há que ter coerência na estratégia de comunicação, respeito pelo diálogo social e trabalhar em conjunto", frisou.

Também Arménio Carlos, dirigente da CGTP, criticou o Governo por "uma enormíssima falta de respeito pelas confederações sindicais e pela opinião pública", numa postura de "submissão a Bruxelas", lembrando também que a central sindical contesta os cortes nas indemnizações por despedimento.

Quanto ao presidente da CCP, João Vieira Lopes, referiu que as medidas eram expectáveis, mas gravosas para o poder de compra e para o comércio. "Estamos a matar os doentes com a medicação." Também o secretário-geral da UGT, João Proença, se confessou "surpreendido" e considerou a situação como "uma pressão de Bruxelas", acrescentando que não aceita qualquer medida que viole os compromissos assinados pelo Governo e por alguns dos parceiros sociais na resolução da última quarta-feira.