Uma escola criada por empresas onde os alunos não têm problemas de emprego

Foto
Maioria dos alunos da escola de Sines tem oferta de emprego ANTONIO CARRAPATO

Fundada há 20 anos, a Escola Tecnológica do Litoral Alentejano foi pioneira no ensino profissional em Portugal. Aqui são os empregadores que lhes batem directamente à porta

Entram no laboratório de Análises Químicas fardados, uns com batas brancas e outros com fato de trabalho azul. Em comum, o nome do estabelecimento de ensino bordado nas costas: Escola Tecnológica do Litoral Alentejano (ETLA). O estabelecimento de ensino acaba de celebrar 20 anos e fica em Sines, à entrada da vila, em plena zona industrial. Foi criado por empresas e os seus alunos, garantem os responsáveis, não têm de procurar muito até assegurarem o primeiro emprego.

A professora Alexandra Silva acolhe os alunos do 12.º ano do curso de Mecatrónica com alguma familiaridade. A uns endireita-lhes as golas, a outros abotoa algum botão esquecido. Estão todos prontos para aprender como se faz a destilação, uma técnica importante que pode ser usada na refinaria, que está paredes-meias com a escola, lembra a docente de Física e Química. Os rapazes juntam-se à volta da docente, que explica as fases da destilação. O desafio é fazer a montagem dos instrumentos e destilar vinho, mas todo o processo poderia ser feito com petróleo. Aliás, é isso que se espera de alguns destes jovens, num futuro próximo.

A escola prepara os alunos para o mercado de trabalho e a maioria tem saídas profissionais e ofertas de emprego mal termina a formação, assegura o director da ETLA, Joaquim Marques. Cerca de 35 por cento continuam para o ensino superior. "Quando os empregadores nos pedem diplomados, não temos ou não temos os melhores, porque esses prosseguem os estudos", revela. Muitos tentam conciliar o superior com o primeiro emprego; outros começam a trabalhar e depois entram no superior; e há ainda quem, não tendo terminado o curso, se comprometa a fazê-lo e entre no mercado de trabalho, acrescenta Joaquim Marques. "Há cursos em que os pedidos são mais do que os diplomados", diz. Um exemplo é o curso de Química Tecnológica. O mercado não precisa de engenheiros, mas de técnicos, reforça.

Noutra ponta da escola, nas oficinas, o professor Ferreira Dias, um decano da ETLA, ensina com a mão na massa - ou melhor, nas roscas e noutras ferragens. O objectivo é que os alunos do 1.º ano de Electrónica, Automação e Instrumentação - na turma há uma única rapariga - aprendam as medidas quer em metros, quer em polegadas. É preciso fazer contas e o professor distribui os alunos por grupos de três, passa-lhes para as mãos roscas e lâminas de medição. Agora ainda estão no princípio, mas em três anos farão os projectos de final de curso e poderão construir equipamentos que ficarão na oficina da escola ou mesmo karts de competição, como já aconteceu com uma turma.

A ETLA nasceu, como muitas escolas profissionais, depois da publicação, em 1989, do decreto-lei que possibilitou a abertura deste tipo de ensino. A escola surgiu um ano depois, nas instalações da antiga Companhia Nacional de Petroquímica, quando esta foi vendida a uma empresa finlandesa, a Neste.

"Foram os finlandeses que trouxeram a ideia da responsabilidade social e de fazer uma escola de ensino profissional", recorda Joaquim Marques, à frente do projecto desde então. Actualmente, a ETLA tem como entidades associadas os municípios de Sines e de Santiago do Cacém e várias empresas da região.