Swing reabre hoje

É o acordar de uma das casas mais marcantes da noite do Porto dos anos 80 e que estava fechada há três anos

Resgatar o espírito e o público que, ao longo de duas décadas, fizeram do Swing um dos espaços de animação mais carismáticos da noite do Porto é a prioridade dos actuais donos da discoteca que reabre esta noite, após remodelação.

O espaço, que fechou em 2007 após um incêndio, está agora mais claro, para que "as pessoas se possam ver e ser vistas". "Não queremos que as pessoas se escondam", afirma João Magalhães, um antigo cliente acostumado à área de organização de eventos que agora concretiza o sonho de abrir o seu próprio clube. Amigo há 13 anos de Ezequiel Gomes - o antigo porteiro do Swing que agora também se tornou proprietário, "com enorme alegria" -, alargou a sociedade a mais dois amigos, Nuno Rodrigues e Mário Machado. Os quatro são os novos donos do Swing, que inaugura hoje, apesar de a abertura ao público em geral acontecer apenas amanhã à noite.

As mudanças não se ficam apenas pela "transparência" prometida por João Magalhães. O espaço, projectado pelo arquitecto Jorge Vieira, conta agora com uma área VIP na cave. No piso da entrada é recuperado o bar-grill, uma valência que foi desaparecendo das discotecas portuenses. "Hambúrgueres, "cachorros", pregos e tostas mistas" é o que os clientes vão poder consumir aqui se a fome apertar.

A pista de dança conserva os quadrados coloridos, uma concessão aos clientes mais nostálgicos. Fica a promessa de lá poderem dançar, das 00h às 6h, nas noites Remember 70"s/80"s/90"s, ao sábado. Se preferirem o deephouse, Magalhães aconselha as sextas. Já as quintas e o primeiro domingo de cada mês ficam por conta das noites temáticas.

Ontem, ainda se via massa de cimento pelo chão, mas João Magalhães garantiu que, esta noite, tudo estaria pronto.