Deco revela que cereais de pequeno-almoço são maus para crianças mas produtores contestam

Cada cem gramas de cereais contêm o equivalente a 4,7 pacotes de açúcar, segundo o estudo que analisou 171 marcas de cereais em 31 países

A Os cereais de pequeno-almoço são alimentos pouco saudáveis para as crianças. O alerta partiu da Deco que, na sequência dos testes feitos a 171 cereais presentes em 31 países, concluiu que todos contêm doses excessivas de açúcar e sal. Segundo o estudo, cada 100 gramas de cereais comprados na Europa contêm o equivalente a 4,7 pacotes de açúcar (36 gramas). Nos Estados Unidos o cenário é pior, já que a dose de açúcar aumenta para os 5,4 pacotes. Para conseguir uma comparação, foram analisadas duas marcas presentes nos 31 países: Nestlé e Kellog's. Além disso, a Deco testou as dez variedades de cereais de chocolate mais vendidas em Portugal, incluindo as das marcas Continente, Pingo Doce e Dia.
O açúcar está presente em todas, e, segundo o estudo, os únicos cereais com um valor aceitável, os Kellog's Rice Krispies, têm demasiado sal. Os menos maus serão os Chocapic Duo e os Kellog's Chocos, por terem menos gordura.
A Deco acusa os fabricantes de, nas embalagens, chamarem a atenção para as vitaminas e sais minerais, "para que os consumidores acreditem que se trata de um bom alimento". "É preferível ir buscar estes constituintes à fruta e aos legumes", insiste a Deco, para quem "o pão é uma fonte de cereais bem mais saudável".
Ao PÚBLICO a nutricionista Renata Barros ressalva que os cereais não são todos iguais e "os integrais, com baixo teor de sal e açúcar e alto teor de fibras, podem ser incluídos numa dieta saudável". Em suma, as crianças devem fugir dos cereais açucarados.
Lembrando que, em Portugal, uma em cada três crianças tem excesso de peso, a Deco juntou-se à Consumers International, que agrega 220 organizações de consumidores, na defesa da criação de um código internacional de boas práticas do marketing alimentar.
Na reacção, a Federação das Industrias Agro-Alimentares mostra-se contra. "Não é pela via legislativa que se impõem comportamentos alimentares", considera o director-geral, Pedro Queirós. Aquele responsável lembra que "o novo esquema de rotulagem já informa o consumidor da quantidade exacta de calorias, açúcar e sal que está a ingerir". Logo, "tudo o que seja restrições à publicidade impede que haja consumidores esclarecidos e responsáveis".
Quanto ao açúcar, a Associação Portuguesa de Produtores de Flocos de Cereais lembrou, em comunicado, que a dose diária recomendada pelos fabricantes é de 30 gramas (seis colheres de sopa) e não as 100 gramas mencionadas no estudo. Aquelas 30 gramas, "equivalem a uma ingestão de 8-10 gramas de açúcar (1 pacote) por refeição e não de 4,7 pacotes como é referido no estudo", contesta a Aflop.

16

Até 16 de Outubro a Deco disponibilizou uma linha gratuita, 800781782, para responder a dúvidas sobre os alimentos e que contará com a colaboração de nutricionistas