Três gerações do flamenco num festival em Lisboa

a A paixão pelo flamenco está a crescer em Portugal e são cada vez mais os que procuram locais para dançar, ou ver dançar, ao sabor desta tradição espanhola. Para os que já se renderam à fiesta, tanto na dança como na música, e para os que já estão curiosos começa hoje na Aula Magna, em Lisboa, um festival que se prolonga até 19 de Maio.Frederico Carmo, o director do projecto, diz que o objectivo do Flamenco 2008 - Festival de Lisboa é dar a conhecer esta arte em todas as suas valências: "Temos as três áreas principais: guitarra, voz e dança. Os filmes, palestras e workshops servirão para complementar os espectáculos e para as pessoas conhecerem o que é o flamenco."
Para provar que o flamenco se tem mantido em permanente evolução, nos espectáculos principais o festival vai mostrar três artistas de gerações diferentes. "Trazemos um músico clássico, um cantor do momento e uma bailarina promissora", explica o director. Pepe Habichuela será o primeiro (29 de Março). Este guitarrista clássico de 63 anos tem já uma longa carreira e "apresenta um flamenco com raízes muito fortes", diz o guitarrista português António Cobra, habituado a explorar esta tradição espanhola. "É uma escolha com grande qualidade."
No dia 19 de Abril, é a vez de Miguel Poveda mostrar por que lhe foi atribuído o Prémio Nacional de Música de Espanha no ano passado. Este cantor de 34 anos que já participou em inúmeros festivais viu o seu último disco, Tierra de Calma, nomeado para os Grammy latinos e cantou com Mariza o tema Meu Fado no filme Fados, de Carlos Saura.
Fuensanta, "La Moneta", bailarina de 23 anos, é a representante da mais jovem geração (17 de Maio).
As palestras, filmes e workshops servem de introdução aos espectáculos, preparando o público para o que vai ver, e permitindo-lhe experimentar alguns sons e movimentos. O produtor Mário Pacheco vai falar sobre Os Novos Flamencos (28 de Março) e José Manuel Gamboa, guitarrista e jornalista, dará um atelier sobre a guitarra flamenca (também a 28). A 18 de Abril, o professor e conferencista Faustino Nuñez promete ajudar a Compreender o Flamenco e dará ainda dois workshops de canto (18 e 19 de Abril). Mas não são só os que querem aprender a cantar que têm aulas à disposição no festival. No dia 16 de Maio, a professora Raquel Oliveira dirige um workshop em que quer ensinar aos participantes noções básicas do "baile flamenco" que poderão, mais tarde, aprofundar, já que, garante, todos podem dançá-lo, desde que aprendam. "O flamenco é uma arte complexa e rica com vertentes variadas que utiliza uma linguagem universal", diz ao P2. "Existem imensos bailarinos japoneses de flamenco."
Além de espectáculos, conferências e workshops, o festival tem ainda filmes em cartaz como La Herencia Flamenca de Los Ketama, de Michael Meert, e Flamenco, de Carlos Saura.