Carlos Bunga distinguido com prémio de pintura em Espanha

Carlos Bunga (n. Porto, 1976) foi galardoado com o III Prémio Internacional de Pintura de Castellón, Espanha, no valor de 60 mil euros. A obra distinguida foi uma instalação site-specific, sem título, realizada no ano passado com recurso a cartão prensado, fita adesiva e pintura, materiais utilizados pelo artista em trabalhos nos quais a relação com o contexto envolvente assume um papel determinante na sua própria construção e desconstrução. O júri do concurso, formado por Franz Ackermann, Barry Schwabsky, Javier Panera, Karen Wright e Wences Rambla, sublinhou que Carlos Bunga, actualmente a residir em Nova Iorque, "explora os limites do suporte e o espaço pictórico de forma concisa, directa e elegante". E acrescenta que a sua "pintura expandida", conceito ao qual o prémio se subordinava, é "um lugar onde a cor, a matéria (por vezes pobre e efémera), o espaço, a acção e a arquitectura se encontram".
Ao galardão, promovido pela autarquia de Castellón, concorreram 941 artistas de 55 países, tendo ainda sido distinguidos com menções honrosas Nathan Carter (Estados Unidos), Dominik Lejman (Polónia) e Luis Vidal (Espanha).
Carlos Bunga venceu o Prémio EDP Novos Artistas (2003), expôs individualmente na Culturgest no Porto e na galeria espanhola Elba Benítez, em Madrid, e em mostras colectivas de relevo, como a Manifesta ou a Bienal de Veneza.