Sporting e Partizan defrontaram-se há 50 anos num jogo que mudou o futebol europeu

"Leões" e jugoslavos protagonizaram na tarde de 4 de Setembro de 1955, no Estádio Nacional, o encontro inaugural da Taça dos Campeões Europeus, actual Liga dos Campeões. João Martins ficaria para a história como o primeiro jogador a marcar um golo na prova

Na tarde de 4 de Setembro de 1955 João Martins marcou o golo inaugural do Sporting frente ao Partizan de Belgrado num jogo que terminou empatado a 3-3 e que mudou a face do futebol europeu de clubes. Os dois lados comemoram este fim-de-semana os 50 anos desta partida, a primeira mão da ronda inaugural da Taça dos Campeões Europeus. O primeiro jogo disputado na competição.Meio século passado e muito mudou entre essa estreante taça europeia e a actual reluzente, multimilionária, com uma cobertura televisiva global, Liga dos Campeões. Curiosamente, Sporting e Partizan partilharam uma coisa em comum, como muitos clubes da elite europeia em competição nos dias de hoje. Embora o objectivo da prova, tal como agora, fosse o de apurar o melhor clube da Europa, nem todos os participantes eram campeões nacionais nos seus países.
O Sporting terminara em terceiro lugar o campeonato português de 1955, atrás do Benfica e do Belenenses, mas, quando a sua participação na estreante competição foi assegurada, o campeonato nacional não havia ainda sido decidido. O Sporting tinha vencido a liga portuguesa em 1954 e a Federação Portuguesa de Futebol decidiu que o clube deveria participar. O Partizan terminou a temporada de 1954-55 do campeonato jugoslavo apenas na quinta posição, mas foi convidado a participar no lugar dos clubes classificados nos lugares acima da tabela. O Partizan era uma equipa com talento e incluía vários jogadores da selecção nacional que se tornaram famosos na Europa com excelentes exibições para o clube e para o país.
O mais notável era Milos Milutinovic, um médio ofensivo, que treinou a selecção nacional jugoslava nos anos 1980. Ele deixou a sua marca nesta eliminatória com dois golos na primeira mão e quatro na segunda.

A era douradaStjepan Bobek era um prolífico avançado, enquanto Branko Zebec era um excelente médio defensivo, que mais tarde treinou o SV Hamburgo até à final da edição de 1979-80 da Taça dos Campeões Europeus [seria derrotado pelos ingleses do Nottingham Forest, por 1-0], apesar de ter passado a maior parte do jogo contra o Sporting a coxear após uma madrugadora lesão.
A uma distância de 50 anos é difícil analisar quem era exactamente o favorito à vitória, mas o Sporting deve ter imaginado as suas possibilidades. Estava a atravessar um período dourado na sua história, havia ganho o campeonato português sete vezes em oito temporadas, entre 1947 e 1954, encabeçado por uma muito concretizadora linha avançada conhecida como "os Cinco Violinos" pela sua forma harmoniosa de jogar.
Muitos dos que participaram no jogo do Estádio Nacional estão ainda vivos e o defesa João Caldeira, agora com 68 anos, ainda recorda o encontro. "O Partizan era agressivo, o seu estilo de jogar era duro, mas limpo", explicou à Agência Reuters o ex-jogador, na casa de repouso em que habita no Algarve. Na altura do jogo, Caldeira contou que o seu salário era o equivalente a 10 euros actuais por mês, incluindo um subsídio de alimentação.
A partida de Portugal foi jogada com muito vento, perante uma multidão de 30 mil espectadores que teve de esperar apenas 14 minutos antes de Martins colocar o Sporting em vantagem, um resultado que os lisboetas seguraram até perto da hora do intervalo, quando Milutinovic igualou. Os dois homens voltaram a marcar no segundo tempo, com Quim do Sporting e Bobek do Partizan a marcarem também antes do encontro terminar empatado a 3-3.
Ao contrário da pressão dos calendários dos dias de hoje, a segunda mão teve lugar apenas seis semanas mais tarde, em 12 de Outubro, quando o Partizan bateu o Sporting por 5-2, estabelecendo o 8-5 no conjunto das duas mãos.
Milutinovic marcou por quatro vezes, passando a ser o primeiro jogador a fazer tal feito na história da competição.

Camisas limpasO Partizan defrontou o Real Madrid na ronda seguinte, perdendo 4-0 em Madrid no dia de Natal de 1955, antes de vencer a segunda mão por 3-0 um mês depois. O Real acabaria por arrebatar a primeira das cinco taças europeias consecutivas que conquistaria - voltaria a bater o Partizan, por 2-1, na final em 1966, ano em que alcançou o sexto troféu. Sporting e Partizan renovariam a sua rivalidade ocasionalmente desde 1955, com nova vitória do Partizan, por 3-1, no agregado das duas mãos da edição da Taça dos Campeões de 1962-63, e por 6-4 nos dois jogos da Taça UEFA em 2003-04.
Caldeira relatou uma história que ilustra aqueles tempos ainda melhor do que as suas recordações nebulosas da partida de 1955. O que ele recorda mais é que o clube exigia os seus jogadores sempre bem vestidos, com camisas limpas e gravatas durante as viagens: "Mas, durante a segunda mão em Belgrado, quando voltei para o hotel depois do jogo, notei que a minha camisa estava suja e chamei a empregada para limpá-la. Tentei explicar-lhe que tinha de a ter pronta em três horas para ir para o aeroporto. Uma vez que eu não falava a sua língua nem ela a minha, gastámos algum tempo a tentar entender-nos um ao outro sem sucesso. Pela altura em que fui capaz de a fazer entender-me, com a ajuda de um colega, era demasiado tarde e muito em cima da hora para partir para o aeroporto. Recordo-me de regressar a casa com uma camisa suja." Jornalista da Reuters

PS: O Partizan venceu o jogo da segunda mão, por 5-2, em Belgrado, no dia 12 de Outubro de 1955 (8-5, no conjunto das duas mãos)

Sporting-Partizan Belgrado, 3-3(1-1, ao intervalo)
Estádio Nacional, Oeiras

Sporting: Carlos Gomes; Manuel Caldeira, João José Galaz, Armando Barros, Manuel Passos (capitão), Juca, Hugo Sarmento, Manuel Vasques, João Martins, José António Travaços, Quim.Treinador: Alejandro Scopelli

Partizan de Belgrado: Slavko Stojanovic; Bruno Belin, Cedomir Lazarevic, Ranko Borozan, Branko Zebec, Bozidar Pajevic, Prvoslav Mihajlovic, Milos Milutinovic, Marko Valok, Stjepan Bobek (capitão), Anton Herceg.Treinador: Aleksandar Tomasevic

Golos: Sporting - Martins (14", 78"), Quim (65")Partizan - Milutinovic (45", 50"), Bobek (73")

Árbitro: Dean Harzic (França)

O PÚBLICO agradece a colaboração do Mundo Sporting ao disponibilizar as instalações do Museu do Sporting de onde foram retiradas as fotografias hoje publicadas