Quinteto vocal Vozes da Rádio revela novo álbum Mulheres no Porto

Todas as canções são sobre mulheres mas Jorge Prendas diz que "não é um álbum feminista"

O quinteto vocal está de volta com um novo álbum. A novidade é que as Vozes da Rádio têm agora acordes instrumentais como suporte. Quiseram ensaiar novas musicalidades, abrir horizontes, dizem. A pedra angular são as Mulheres, em trovas que as homenageiam.O disco é posto à venda a 8 de Abril e o grupo apresenta Mulheres hoje e amanhã às 21h30, e no domingo às 21h, no Teatro Helena Sá e Costa, no Porto.
São 17 canções, com letras de João Monge e música de Jorge Prendas, um dos cinco timbres do grupo. Todas falam de mulheres: da mãe que aconselha aos filhos Volta cedinho, à adolescente que Partiu menina (voltou mulher). Mas há também o tributo à feminista dos anos 60, Milú (eterna luzinha).
Mas Jorge Prendas diz que "este não é um álbum feminista, nem machista: trata sim, e sobretudo, das relações entre homem e mulher, na visão do lado de cá". Um exemplo é Valsa de um dia triste, que canta as atribulações de um casal com problemas.
Ainda que o quinteto pegue nos instrumentos - Jorge Prendas e Ricardo Fráguas estão ao piano, António Miguel nas percussões, Tiago Oliveira no clarinete e na guitarra, Rui Vilhena também na guitarra -, a sonoridade dos Vozes da Rádio está lá: no trabalho melódico e harmónico do texto, nos timbres que se conjugam. Por isso, Mulheres é ainda (ou quase) um álbum a cappella, com um revestimento peculiar.
Desde 1995, ano de Bruxas, Heróis e Males d"Amor, que o grupo portuense é particularmente ecléctico. Por isso, este não é considerado um álbum de viragem no estilo do quinteto. "Provavelmente", conclui Jorge Prendas, "no próximo trabalho teremos apenas as vozes". Crisitna Silva Bastos