Merloni/Ariston Concentração e greve contra deslocalização

Os trabalhadores da Merloni/Ariston de Praias-do-Sado, no concelho de Setúbal, cumprem hoje um dia de greve e promovem de manhã uma concentração junto ao Governo Civil contra a alegada intenção da administração de deslocalização da fábrica, pondo em causa mil postos de trabalho - 400 directos e 600 indirectos. Manuel Neto, da Comissão de Trabalhadores, disse à agência Lusa que a concentração destina-se a "alertar as autoridades portuguesas para a estratégia da administração da empresa, que visa criar condições para o encerramento da fábrica", o que já aconteceu com a fábrica de fogões do Sabugo, no concelho de Lisboa, que também pertence ao grupo Merloni, em que a administração rescindiu todos os contratos de trabalho por mútuo acordo e abriu outra fábrica idêntica na Polónia. A unidade fabril terá capacidade para produzir cerca de 400 mil frigoríficos e arcas congeladoras por ano.