Uma novela para aprender português

Ora Viva!, a telenovela que a RTP estreia dentro de duas semanas, tem um bocadinho de tudo o que têm as novelas de TV: crianças e adultos, amores e conflitos, recordações do passado e sonhos de futuro. Mas em cada episódio de meia hora consegue ainda ensinar língua portuguesa. Uso da linguagem, descoberta de vocabulário, origem etimológica de palavras, aspectos morfológicos do português - tudo cabe em Ora Viva!, sem que, contudo, se perca o fio à meada do enredo.A série - que será exibida nos dois canais nacionais da RTP e, mais tarde, nas TV de serviço público dos países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP), na RTP Internacional e RTP África - abarca também provérbios tradicionais dos países lusófonos e em cada um dos episódios sobra ainda tempo para a leitura de um texto de escritores e poetas que partilham a língua de Camões.Da autoria de Fernanda Cavacas e Aldónio Gomes, a telenovela de 60 episódios escrita por Alice Vieira e Jorge Paixão da Costa foi filmada em Portugal e nos cinco PALOP, contando com a participação de escritores como Mia Couto, Manuel Rui, Orlanda Amarílis, Germano Almeida ou Tony Tcheka. Os artistas plásticos Malangatana e Luísa Queirós, por exemplo, são outros dos "convidados" especiais da série que, deste modo, recria situações e ambientes que contribuem para um melhor conhecimento das culturas a que foi beber.Inserida no projecto Língua Viva, a novela levou uns bons anos a nascer. A complexidade do produto final, os recursos e meios imprescindíveis à sua concepção e produção - tanto mais que as filmagens se espalharam por vários países - e a necessidade de casar os objectivos linguísticos do projecto com um género televisivo popular, acessível e agradável estiveram na origem do atraso.Alice Vieira, aliás, diz que teve a impressão de ter escrito não 60 mas 120 episódios, pois a cada proposta da dupla de guionistas a equipa de autores contrapunha correcções, adaptações e exigências que respeitavam aos objectivos pedagógicos de cada episódio. Além disso, "foi muito complicado tornar credível a história quando as pessoas têm de dizer coisas como 'fá-lo-ão' em lugar de 'vão fazê-lo'", confessa a escritora.Coordenada por Clara Alvarez, gestora de canal da RTP2, e a cuja perseverança se deve parte da concretização da novela, Ora Viva! destina-se a vários tipos de públicos. Crianças e adolescentes em idade escolar, portugueses e lusófonos com pouca escolaridade, imigrantes em Portugal que ainda não dominem bem a língua são alguns dos destinatários prioritários. A série tem ainda por objectivo dotar de informação rigorosa os falantes de português que vivem em locais onde a língua tem tendência a degradar-se ou onde a oferta de ensino de outras línguas pode aliciar o lusófono a preferi-las, como acontece com as comunidades de emigrantes portugueses e sua descendência.Contando no elenco com Henriqueta Maia, João Lourival, Álvaro Faria, Manuela Paulo e Rui Silva, a nova telenovela termina cada episódio com uma pequena rubrica chamada Toca a Lembrar. Protagonizada por Marcantonio del Carlo, que personifica o professor Jorge Barros, esta secção constitui uma sistematização de vários itens abordados no episódio: actos de fala, aspectos de morfologia, estruturas sintácticas e modalidades de expressão oral.Subsidiada pela Secretaria de Estado da Cooperação e pelas fundações Banco Comercial Português e Calouste Gulbenkian, Ora Viva! vai estrear-se na RTP1 a 11 de Novembro. Será exibida naquele canal às terças-feiras, pelas 17h, com repetição aos sábados, antes do Jornal da Tarde. Na RTP2 a novela será transmitida às 19h30 de quarta-feira, repetindo às 11h30 de domingo.Para complementar pedagogicamente a série nas aulas e permitir o estudo da língua em casa, a equipa que deu corpo a Ora Viva! pretende ainda vir a editar a série em vídeo, criando livros, fichas e CDRom com os quais se pode aprender português.