Cantora brasileira em Portugal

Bebel Gilberto apresenta-se esta noite na Figueira da Foz

Foto
A brasileira Bebel Gilberto toca hoje e amanhã em Portugal DR

A cantora brasileira Bebel Gilberto, que esta noite se apresenta no pavilhão da Figueira da Foz e amanhã nos Jardins do Palácio de Cristal do Porto, é filha de João Gilberto e de Miúcha e sobrinha de Chico Buarque de Holanda. Arranjar um cartão de visita melhor do que este é praticamente impossível na música popular brasileira, mas Bebel nunca escolheu o caminho mais fácil.

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

Iniciou muito cedo parcerias com Cazuza, e mais tarde emigrou para os Estados Unidos, onde tocou e cantou com músicos como David Byrne, dos Talking Heads, Arto Lindsay e Dj Towa Tei (do grupo Dee-Lite).

Durante a década de 90, Bebel era mais conhecida na Europa e nos Estados Unidos do que no Brasil. As coisas mudaram quando lançou o álbum "Tanto Tempo", em 2000, pelo selo Ziriguiboom, da editora belga Crammed. O disco atingiu o "top" das tabelas internacionais de Worl Music, acabando por ser finalmente lançado no Brasil no Outono de 2000. O sucesso foi imediato.

Compositora razoavelmente inspirada, Bebel Gilberto brilha, principalmente, pelas interpretações "soft", que fazem lembrar o seu pai João Gilberto, o homem que ajudou a fundar a Bossa Nova. Os seus detractores chamam simplesmente "easy-listenig" ao seu estilo musical, mas basta ouvi-la ao vivo para perceber que Bebel tem o talento de tornar única cada música que canta. A cantora recria com elegância clássicos da Bossa Nova como "Samba da Bênção" (Baden Powell/Vinicius de Moraes), ou "Samba e Amor" (Chico Buarque), mas avança também pelos caminhos da música electrónica como em "Day Song", em que faz um dueto com Nina Miranda, dos Smoke City. Sem esquecer, claro, as parcerias que assinou com o malogrado Cazuza durante a década de 80, em especial "Eu preciso dizer que te amo" e "Mais feliz", que foi recriada com grande felicidade por Adriana Calcanhotto.

Esta noite, na Figueira, e no domingo, no Porto, Bebel Gilberto tem duas oportunidades para conquistar o público português com a sua música suave e "cool", mas de uma grande intensidade.