WhatsApp vai permitir chamadas de voz

Utilizadores do iPhone terão a nova funcionalidade primeiro.

Jan Koum, fundador e presidente executivo da empresa LLUIS GENE/AFP

A aplicação de mensagens WhatsApp, comprada na semana pelo Facebook por quase 14 mil milhões de euros, vai também passar a permitir fazer chamadas de voz, aproximando-se assim de concorrentes como o Viber e o Skype.

A nova funcionalidade deverá chegar no segundo trimestre aos utilizadores de iPhone, anunciou o fundador e presidente executivo, Jan Koum, no Mobile World Congress, em Barcelona. Os utilizadores das restantes plataformas terão de esperar mais algum tempo. “Usamos o mínimo possível de largura de banda e optimizámos ao máximo. Mas assegurámo-nos de que a qualidade está lá, tal como nas funcionalidades de mensagens do WhatsApp”, afirmou Koum, cuja empresa continuará a funcionar autonomamente.

O valor pago pelo WhatsApp – muito acima do preço de serviços semelhantes – tem suscitado dúvidas. Numa conferência também naquele evento, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, afirmou que a compra “é uma boa aposta”, argumentando que o WhatsApp pode vir  a ser “um negócio enorme”. Por ora, a plataforma ronda os 450 milhões de utilizadores, um pouco mais de um terço do que o próprio Facebook. Mas só alguns destes pagam uma anualidade de um dólar e os criadores da aplicação sempre descartaram a possibilidade de introduzir anúncios.

Numa apresentação que foi transmitida em ecrãs gigantes no interior e no exterior do  do enorme recinto do congresso, Zuckerberg voltou a afirmar que tem o objectivo de “ligar toda a gente”, uma meta para a qual já criou, em parceria com outras empresas, o projecto Internet.org, cuja estratégia passa por diminuir a largura de banda necessária para usar a Internet em telemóveis. O fundador do Facebook disse ainda que, depois do WhatsApp, provavelmente não fará tão cedo outras grandes aquisições.


O jornalista viajou a convite da Samsung

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues