Um em cada quatro portugueses com vontade de emigrar

Média na União Europeia é um pouco inferior no abstracto, mas superior na “intenção firme” de mudar de país no prazo de 12 meses.

O movimento de saídas disparou em Portugal, Lituânia, Espanha e Irlanda David Clifford/Arquivo

Um em cada quatro portugueses, se tivesse hipótese, mudava-se para outro país de modo permanente. Um em cada cem está a planear fazer as malas no decurso de doze meses. A análise das tendências de mobilidade consta de um relatório sobre emprego e situação social hoje divulgado pela Comissão Europeia.

O retrato é obra da Gallup. Através de amostras representativas de 160 países, a Gallup World Poll pretende ser uma “janela científica sobre pensamentos e comportamentos de 98% da população do mundo”. A Comissão Europeia serviu-se dela para olhar a mobilidade geográfica de trabalhadores dentro da UE.

Há, dentro da União Europeia, grande desejo de alterar o cenário quotidiano, de respirar outros ares. Um em cada cinco residentes gostaria de mudar se país. O número de pessoas com "intenções firmes" de o fazer no prazo de um ano mais do que duplicou entre 2008/2009 e 2011/2012 — dois para cinco milhões.

As mais elevadas taxas de firme vontade de cruzar fronteiras no decorrer de um ano foram encontradas na Grécia (4,1), na Lituânia (3,9), na Letónia (3,8), na Bulgária (3,4), na Estónia (2,8), na Roménia (2,8), na Hungria (2,4), na Polónia (2) e em Espanha (2). No outro extremo, com os mais baixos índices, estavam a Alemanha (0,1%), a Holanda e o Reino Unido (0,2%). Portugal estava um pouco abaixo da média, cifrada nos 1,2%.

Já não há tanta vontade, de simplesmente, avançar para outro Estado-membro — a preferência pelo espaço comunitário passou de 47 para 44%, o que os autores do relatório atribuem à crise económica e financeira. É entre os que já faziam parte da União antes de 2004 que se nota maior apetência por outros destinos — “mais de 60% dos que estão com disposição de sair do Reino Unido, de França, de Portugal, da Áustria e da Alemanha.

Apesar da atracção por países como o Brasil ou Angola, economias em expansão com quem têm afinidades culturais e linguísticas, os portugueses não deixaram de apostar na Europa. O número de pessoas que se registou no Eures, a rede europeia de serviços de emprego, serve de indicador. “Em Junho de 2013, cerca de 55% dos candidatos da União registados no Eures (566 mil de um total de 1,04 milhões) eram originários dos quatro países do Sul da União Europeia: Espanha, Itália, Portugal e Grécia”, salienta o relatório.

Segundo se pode ler no documento, remetido às redacções pelo gabinete do comissário do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Inclusão, László Andor, “os maiores aumentos desde 2012 foram observados em Espanha e em Itália”. Portugal, por exemplo, tinha 60 mil candidatos em Junho de 2012 e tem agora 79 mil.

A estatística condiz com o último retrato da Eurostat sobre fluxos migratórios — feito com base em dados de 2011. Caíra, de forma acentuada, a entrada de estrangeiros nos países mais afectados pela crise — Espanha, Portugal, Itália. Subira em países com economias mais fortes, com destaque para a Alemanha, para o Luxemburgo.

O movimento de saídas, de resto, disparara na Lituânia, em Portugal, em Espanha e Irlanda. Com uma diferença relevante: a maior parte dos que saem de Portugal são “nacionais”; “não é tanto assim em na Grécia e na Irlanda e muito menos na Espanha, onde a maioria dos que estão a sair são nacionais de países terceiros ou de outros países da UE”. São imigrantes que estão de regresso aos seus países de origem.

 

 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.