Passos recebido com coelho enforcado na Faculdade de Direito de Lisboa

Alunos protestaram nesta quarta-feira contra Passos Coelho, numa conferência organizada pela Juventude Social Democrata.

O primeiro-ministro foi na tarde desta quarta-feira recebido pelos estudantes da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa com um coelho morto pendurado numa forca.

Algumas alunas empunhavam cartazes onde se lia "Quero o meu país de volta", "Não quero emigrar", e "Passo a passo avançam os vampiros".

Passos Coelho chegava à Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa para falar numa conferência da Juventude Social Democrata (JSD) sobre a reforma do Estado e, à entrada foi recebido por alunos que, de repente, encenaram o protesto.

Quando entrava no edifício, três ou quatro vozes cantaram Grândola, Vila Morena. Depois, já dentro do edifício alguns alunos com faixas negras empunharam a forca de madeira, onde estava pendurado o coelho morto.

Logo um coro de palmas se levantou e um dos alunos gritou "Viva a liberdade".
 
Os seguranças do primeiro-ministro tentaram fazer os alunos baixar a forca, mas, percebendo que isso estava a ser filmado continuamente, desistiram.

Passos dirigiu-se então ao auditório onde está a fazer a sua intervenção no encerramento da conferência, cujas portas foram entretanto fechadas pelos seguranças. Porque os alunos seguiram a comitiva e ficaram retidos à porta do auditório a gritar "dói a propina, dói a propina", "gatunos, gatunos" e "demissão".

Os protestos conseguem-se ouvir com clareza dentro da sala, repleta de alunos, que aplaudiram efusivamente Passos quando o líder da JSD o anunciou.

Reforma do Estado não é só financeira
Dentro da sala, no seu discurso, o primeiro-ministro discorreu sobre a história da formação da UE, sobre a grande mobilidade dos jovens de hoje, sobre o ser e o sentir-se europeu quando em comparação com o resto do mundo. E depois nas dificuldades económico-financeiras que a Europa atravessa e questionou-se sobre o que se pode fazer.

Lembrou a situação de “pré-bancarrota” de Portugal, igual à do final do século XIX, apontou a culpa aos desequilíbrios do Estado e à “sensação ilusória de riqueza” em que se viveu durante anos.

Avisou ainda que a reforma do Estado “não pode ficar reduzida à dimensão financeira” e que a questão funcionou “como gatilho para uma discussão mais ampla”. E alertou: é preciso que os portugueses saibam o que querem fazer ao seu Estado social. Mas mais não especificou. Isso, prometeu, ficará para outra oportunidade.


 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues