Robótica

Tupi, o robô que ensina língua gestual, vai representar Portugal em campeonato do mundo na Austrália

As equipas que obtiveram o primeiro lugar em Gondomar têm acesso directo ao RoboCup 2019. No futebol robótico, a Universidade de Aveiro foi a vencedora.
Fotogaleria

Já foram seleccionados os vencedores do Festival Nacional de Robótica 2019 que este ano teve como palco Gondomar. A equipa responsável pela programação e construção de Tupi, um robô que sabe e ensina língua gestual, será uma das vencedoras a representar Portugal na competição mundial RoboCup, que acontecerá na Austrália, em Sidney, de 2 a 8 de Julho.

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

Fabiana Luiz, Carolina Cavaco, Maria Luís Costa, Eleonor Silva e David Antunes, todos alunos do 6.º, 7.º, 8.º e 10.º ano no Agrupamento de Escolas S. Gonçalo, em Torres Vedras, conquistaram o primeiro lugar na categoria Júnior OnStage.

A máquina desenvolvida pela equipa tem como principal função ensinar a língua gestual a qualquer um que a queira aprender. “Queremos apelar à aprendizagem da linguagem por todos e que se comece a colocar a língua gestual como uma disciplina extracurricular nas escolas”, explicou ao PÚBLICO Carolina Cavaco, durante o evento em Gondomar, que decorreu neste fim de semana.

Mas não será só a equipa de Torres Vedras a representar Portugal. As equipas portuguesas que entraram na competição do Festival de Robótica e que obtiveram o primeiro lugar têm acesso directo ao mundial de robótica, mas ainda há chances para as equipas que ficaram nos segundos e terceiros lugares se vencerem a competição europeia do RoboCup.

A equipa CAMBADA, da Universidade de Aveiro, conquistou o primeiro lugar na categoria Futebol Robótico Médio, uma das competições com mais fãs por todo o mundo e uma das mais cobiçadas.

Na competição Condução Autónoma (Autonomous Driving), o prémio foi para a equipa Major Alvega, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. A equipa MinhoTeam 2.0, da Universidade do Minho, foi para casa com o primeiro lugar na competição Robot@Factory. Os vencedores da categoria Robot@Factory Life foram os IPB@Factory do Instituto Politécnico de Bragança. Por fim, dentro das competições seniores, a equipa Augmented Colaboration, do INESCTEC, foi a vencedora na categoria Freebots.

Nas provas que fazem parte da competição júnior também há vencedores. Na categoria Futebol Robótico Júnior, a equipa AGSG-I, do Clube de Robótica do Agrupamento de Escolas de São Gonçalo de Torres Vedras, arrecadou o primeiro lugar. Os vencedores da prova Busca e Salvamento Linha foram os Django, da Escola Profissional de Felgueiras. Na competição Busca e Salvamento Labirinto a vitória foi para a equipa CENFIM OAZ, do Centro de Formação Profissional da Industria Metalúrgica e Metalomecânica (CENFIM). 

Os Legend, do Colégio de Nossa Senhora do Rosário, conseguiram a vitória na categoria FreeBots Júnior, e os Barcelinhos Robotics RS, da Escola Secundária de Barcelinhos, obtiveram o primeiro lugar na prova Busca e Salvamento Simulação.