Theresa May defende o seu plano para o "Brexit", apesar da chuva de críticas

O negociador chefe da UE arrasou o plano de May para a relação futura do Reino Unido com Bruxelas, mas mostra flexibilidade nos prazos para o acordo. Primeira-ministra recusa novo referendo.
Foto
Theresa May tem críticos dentro e fora do partido ao seu plano Chequers DAI KUROKAWA / EPA

Rodeada de cada vez mais críticos, a primeira-ministra britânica Theresa May garantiu que não irá ser “empurrada” para mudanças ao seu plano de saída da União Europeia que ponham em causa o “interesse nacional” britânico e afastou o cenário de marcação de um novo referendo.

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

May utilizou um artigo de opinião publicado no Sunday Telegraph para lançar recados em várias direcções, tantas quantas as que representam ameaças à sua visão do “Brexit”. Desde logo para Bruxelas, ao indicar que se irá manter fiel ao plano traçado no início do Verão para nortear as relações futuras entre o Reino Unido e a União Europeia.

“Não serei empurrada para aceitar compromissos que não sejam a favor do interesse nacional”, escreveu May, referindo-se ao chamado “plano Chequers”, em referência à residência de férias oficial da primeira-ministra, onde o programa foi redigido. O plano prevê que o Reino Unido se mantenha numa zona de comércio livre com a UE após a saída, que inclua o comércio de bens e produtos agrícolas.

O negociador chefe da Comissão Europeia para o “Brexit”, Michel Barnier, lançou, numa entrevista ao diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, duras críticas ao plano de May, identificando vários obstáculos que o tornam impraticável e “ilegal”.

“Não podemos abdicar de controlo sobre as nossas fronteiras externas e sobre o lucro para um país terceiro, isso não é legal”, afirmou Barnier, referindo-se à proposta britânica sobre a aplicação de tarifas aduaneiras diferenciadas para produtos destinados para o Reino Unido ou que apenas passem pelo país tendo como destino a UE. “A proposta britânica”, disse Barnier, “seria um convite à fraude se posta em prática”.

Até Novembro

O líder das negociações do lado europeu admitiu, porém, conceder mais tempo para que o acordo de saída seja finalizado “em meados de Novembro” e não a tempo da cimeira de 18 e 19 de Outubro, como inicialmente previsto. Barnier deixou, contudo, o aviso de que o problema não é o tempo: “Do que precisamos é de decisões políticas.”

A pressão sobre May vem também da indústria. Desta vez foi do director-geral da BDI, a federação industrial da Alemanha, Joachim Lang, que disse ao Financial Times que se chegou a “uma fase crítica”. “Se não houver um acordo até meados de Novembro, as empresas alemãs vão começar a pôr em prática os planos de emergência para um cenário de ‘Brexit’ sem acordo”, afirmou.

Mas ao manifestar apoio inabalável ao plano Chequers, May está sobretudo a falar para dentro. A apresentação desta proposta de regulação das relações comerciais futuras com a UE foi recebida com várias críticas que culminaram com as demissões quase simultâneas do ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, e do ministro para o “Brexit”, David Davis, apoiantes do chamado “hard Brexit”, ou seja, uma saída em ruptura total com Bruxelas.

Os críticos do plano governamental consideram que a relação futura proposta mantém, na prática, o Reino Unido submetido às regras de Bruxelas, com a agravante de dificultar novos acordos comerciais que Londres queira fechar com outros países. Numa entrevista à BBC, Davis disse que o plano Chequers é “quase pior” que a continuação no Reino Unido.

Este mês, o Parlamento regressa aos trabalhos e o Governo enfrenta uma dura batalha para fazer aprovar a sua proposta, entre os críticos na bancada tory e a oposição trabalhista.

May garantiu ainda que está fora de questão o agendamento de um novo referendo sobre a saída britânica, ainda que haja indícios de que a opinião do eleitorado seja agora favorável à manutenção na UE. “Fazer de novo a pergunta seria uma grave traição à nossa democracia e uma quebra de confiança”, declarou a primeira-ministra.

Os grandes apoiantes de um novo referendo são os Liberais, tradicionalmente muito favoráveis à integração europeia. Mas também entre os conservadores há quem queira reverter o “Brexit”. Um dos principais financiadores do Partido Conservador, Simon Roberts, ex-presidente da Rolls Royce, disse estar “profundamente deprimido” com o debate em torno do “Brexit” e manifestou-se a favor de uma nova chamada às urnas.