Moda

Farfetch avança com entrada em bolsa

Plataforma de venda de artigos de moda tem 936 mil clientes e receitas de 386 milhões de dólares.
Foto
José Neves já tinha afirmado que este era um passo lógico fvl fernando veludo n/factos

A Farfetch – uma loja online de moda de luxo que tem boa parte das operações em Portugal –deu o primeiro passo formal para uma entrada em bolsa que já era esperada há muito. 

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

A empresa, com sede no Reino Unido, entregou nesta segunda-feira a documentação junto do regulador de mercados dos EUA, tendo escolhido a Bolsa de Nova Iorque para abrir o capital a novos investidores. O documento não especifica quantas acções serão vendidas, nem a que preço. Também não indica uma data para a operação.

A Farfetch foi fundada em 2007 pelo português José Neves e é considerada um “unicórnio” — uma startup cuja valorização ultrapassa os mil milhões de dólares. Desde a criação, angariou 702 milhões de dólares em investimento, segundo a base de dados Crunchbase.

A empresa opera uma loja online para marcas de luxo, permitindo aos utilizadores fazerem compras de várias marcas na mesma plataforma. A Farfetch, que emprega cerca de três mil pessoas, encarrega-se do transporte, entrega, facturação e eventual devolução dos artigos.

Os números agora revelados mostram um crescimento significativo nos últimos anos. No final do ano passado, a Farfetch tinha perto de 936 mil clientes, o que significou um aumento de 44% em relação a 2016 (naquele ano, a subida tinha sido de 57%).

As receitas em 2017 foram de 386 milhões de dólares (338 milhões de euros ao câmbio actual), uma subida de 60% (no ano anterior tinham crescido 70%). A empresa terminou 2017 com um prejuízo de 112 milhões de dólares (98 milhões de euros). O preço médio de cada compra feita este ano foi de 622 dólares, cerca de 543 euros.

A especulação em torno de uma entrada em bolsa tem alimentado notícias nos anos recentes. José Neves já tinha afirmado que este seria um passo lógico para a empresa.

A Farfetch tem estado em expansão. Em Fevereiro, fez uma aliança com o grupo Chalhoub, um dos maiores retalhistas de artigos de luxo no Médio Oriente. No ano passado, tinha conseguido investimento do chinês JD.com, um dos gigantes das vendas online naquele país. Em 2015 tinha comprado a icónica boutique londrina Browns e tem vindo a desenvolver tecnologia para transformar a experiência de compra também em lojas físicas.

“Perguntamo-nos a nós próprios: ‘Como vai o mundo comprar moda nos próximos cinco, dez, 20 anos?’”, explicou Neves, numa carta que acompanhou a documentação entregue nos EUA. “Acreditamos que o mundo vai continuar a usar lojas físicas. A moda não pode ser inteiramente digitalizada, ao contrário da música e do vídeo.”

Entre os bancos a apoiar a operação estão o Goldman Sachs, JP Morgan, Allen& Company, UBS, Credit Suisse Securities, Deutsche Bank Securities e Wells Fargo Securities.